Notícia

O Diário (Mogi das Cruzes) online

O bicudinho paulista já corre risco de extinção

Publicado em 09 abril 2014

Primeira espécie de ave com ocorrência restrita ao Estado de São Paulo, a Formicivora paludicola, também conhecida como bicudinho-do-brejo paulista, está presente nas áreas de brejos situadas nos arredores das nascentes dos rios Tietê e Paraíba do Sul, próximo a Mogi das Cruzes. É o que dizem especialistas no mais recente número da Revista Pesquisa Fapesp. “Aves endêmicas de apenas um estado são raras”, afirma o pesquisador Luís Fábio Silveira, da USP, mesmo admitindo que a natureza não respeita as fronteiras políticas criadas pelo homem. Os bicudinhos costumam viver aos pares, um macho e uma fêmea, e têm autonomia de voo limitada, de apenas 25 metros. Por isso, nunca deixam o ambiente pantanoso, onde vivem pulando em folhas e caules de taboa, planta típica de brejos e várzeas. Os pesquisadores consideram “uma ótima surpresa” o encontro dos pássaros na região de Mogi, Salesópolis, Biritiba Mirim, São José dos Campos e Guararema. Com 11 cm de comprimento e peso médio de 9 gramas, o frágil bicudinho, diz a publicação, se alimenta de insetos que frequentam as regiões alagadas, próximas dos rios. Mas junto com a alegria de encontrar os habitantes exclusivos desta região, os pesquisadores também demonstram preocupação com o fato de que o bicudinho paulista “corre sério risco de desaparecer em breve”. Logo após ter sido descoberta, a ave já pode ser considerada “criticamente ameaçada de extinção”, última categoria antes de uma espécie ser decretada extinta ou quase extinta, segundo critérios da União Internacional para a Conservação da Natureza. O motivo, segundo os especialistas, é o encolhimento das áreas de brejo que serviam de moradia para a ave, resultado da expansão dos centros urbanos e das atividades rurais e industriais na Zona Leste da Região Metropolitana. A população atual dos bicudinhos, calcula-se, esteja entre 560 e 620 exemplares, vivendo numa extensão de 1,4 km², mais de mil vezes menor do que a Cidade de São Paulo. O bicudinho-do-brejo-paulista é parecido com sua irmã, a Formicivora acutirostri, chamada apenas de bicudinho-do-brejo existente na faixa costeira que vai do Paraná ao Norte do Rio Grande do Sul. As diferenças entre as espécies são poucas, mas visíveis a olho nu.