Notícia

UNICAMP - Universidade Estadual de Campinas

O 1º laboratório de quinases da AL

Publicado em 13 fevereiro 2015

Por Silvio Anunciação

A Unicamp lança, no próximo dia 10 de março, o primeiro centro de pesquisa de biologia da América Latina (AL) na área de proteínas quinases, moléculas bastante requeridas na indústria farmacêutica pela sua característica sinalizadora e de regulação de importantes processos biológicos. O laboratório, denominado Centro de Biologia em Proteínas Quinases, conta com a parceria da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e do Consórcio de Genômica Estrutural (SGC).

O centro de pesquisa, aberto a pesquisadores de todo o país, ficará vinculado ao Laboratório Central de Tecnologias de Alto Desempenho em Ciências da Vida (LaCTAD), complexo da Pró- Reitoria de Pesquisa (PRP) financiado pela Fapesp. Os investimentos são da ordem de R$ 18 milhões e o lançamento oficial acontece, a partir das 10 horas, na sede da Fapesp, em São Paulo (R. Pio XI, 1500 - Alto da Lapa).

"Há, atualmente, uma limitação do conhecimento na área da síntese de novos medicamentos. O entendimento dessas proteínas quinases, moléculas muito específicas do funcionamento celular, será fundamental para avançar nesta área", dimensionou a pró-reitora de Pesquisa da Unicamp, Gláucia Maria Pastore.

O Centro será coordenado pelo docente Paulo Arruda, do Departamento de Genética, Evolução e Bioagentes do Instituto de Biologia (IB) da Universidade, informou a pró-reitora da Unicamp.  Ainda de acordo ela, os pesquisadores do Centro de Biologia em Proteínas Quinases trabalharão em estreita colaboração com colegas da Universidade de Oxford e da Universidade de Toronto, instituições vinculadas ao Consórcio de Genômica Estrutural (SGC, na sigla em inglês.)

"Este consórcio mundial é uma parceria público-privada que apoia a descoberta de novos medicamentos por meio de pesquisa de acesso aberto. O centro que estamos lançando na Unicamp será o terceiro que compõe a rede do SGC. Os outros dois estão localizados nas Universidades de Oxford e Toronto", explica.