Notícia

Associação Paulista de Jornais

Número de docentes na Unesp de PP tem alta de 6,6%

Publicado em 17 dezembro 2010

O número de docentes - ativos e inativos - da Faculdade de Ciências e Tecnologia (FCT) da Universidade Estadual Paulista (Unesp) de Presidente Prudente aumentou 6,6% na comparação entre 2008 e 2009. A informação é do Anuário de 2010 da universidade, o qual apresenta que há dois anos a unidade somava 240 professores e em 2009, 256. Também tiveram variação positiva os indicadores de alunos da graduação e o montante de bolsas de apoio acadêmico e extensão oferecidas aos estudantes. O primeiro teve majoração de 0,5%, já que passou de 3.018 para 3.036, e o segundo cresceu 7,1%, saindo de 695 para 745. Na contramão desses índices, o total de alunos matriculados na pós-graduação, contabilizando mestrado e doutorado, teve redução de 7,4%, passando de 391 para 362.

O diretor da FCT, o professor doutor Antonio Nivaldo Hespanhol, comenta que a Unesp passou alguns anos com orçamento restrito. "Por esse motivo, as aposentadorias foram ocorrendo e nós não pudemos repor o número de docentes e funcionários de forma adequada. Entretanto, de 2009 para cá, com a mudança do reitor e, principalmente do setor econômico, tivemos mais recursos e contratamos mais de 30 professores, sem falar em servidores, por isso verificamos um aumento no total de educadores de um ano para o outro".

Quanto à variação de graduandos, que segundo o diretor foi muito pequena, podendo ser considerada desprezível, ela está relacionada a evasões e à progressão do aluno no curso. "Em 2008 provavelmente tivemos mais desistências que em 2009 ou mais reprovações, que geraram número mais alto em 2009. Outro motivo é difícil de apontar, pois todos os anos ofertamos o mesmo número de vagas no vestibular para os nossos 12 cursos". No que diz respeito a pós-graduandos, Hespanhol relaciona a queda à antecipação de defesa das dissertações de mestrado e teses de doutorado.

No âmbito das bolsas, o diretor explica que o número de benefícios concedidos varia de ano para ano de acordo com o perfil socioeconômico dos alunos e do número de projetos aprovados pelas agências de fomento. "Se em um ano tivermos mais alunos com menos condições financeiras,

provavelmente o número de bolsas moradia, alimentação, entre outras, será maior, assim como se tivermos mais projetos considerados de boa qualidade pelas agências como Fapesp [Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo] e CNPq [Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico]".

Outro dado apontado pela pesquisa foi o predomínio de mulheres na FCT. Do total de 3.036 alunos matriculados em 2009, 1.602 (52,8%) são do gênero feminino e 1.434 (47,2%) masculino. Para

Hespanhol, a presença de mais homens ou mulheres está relacionada ao perfil dos cursos presentes nas instituições. "No caso de Prudente, temos curso em que predominam moças. São eles: Pedagogia, Fisioterapia e Arquitetura e Urbanismo. Mesmo Geografia e Educação Física também concentram mulheres. Já as exatas, como Matemática e Engenharia Cartográfica, a maior presença é de homens". Complementa que é interessante ver que as mulheres predominam, pois elas buscam qualificação para poder brigar por uma vaga no mercado que ainda as discrimina.

Os 12 cursos do campus de Prudente são Arquitetura e Urbanismo (o mais concorrido da área de humanas no vestibular 2010 - 17,8 candidato/vaga), Ciência da Computação, Educação Física, Engenharia Cartográfica, Engenharia Ambiental (o mais procurado em exatas - 15,3 c/v), Estatística, Física, Fisioterapia (o mais buscado das biológicas - 12,9 c/v), Geografia, Matemática, Pedagogia e Química.

REGIÃO

No campus de Rosana, que possui um único curso - Turismo -, o número de graduandos subiu 4,4%, passando de 156 em 2008 para 163 em 2009. Na unidade também há predominância de mulheres 73% em relação aos homens e o número de bolsas passou de 57 para 58.

Já em Dracena, que oferece o curso de Zootecnia, o total de estudante caiu 5,7%, saindo de 245 para 231. Assim como Prudente e Rosana, o gênero feminino é mais presente, 55,8% frente aos 44,2% masculino e o montante de bolsas subiu de 55 para 59.