Notícia

Universia Brasil

Núcleo de pesquisa da UNESP/Jaboticabal desenvolve projetos conservacionistas

Publicado em 09 março 2007

O NUPPECE - Núcleo de Pesquisa e Conservação de Cervídeos, com base organizacional localizada na Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias (FCAV), da UNESP, campus de Jaboticabal vem desenvolvendo diversos projetos em todo o Brasil, visando o estabelecimento de programas conservacionistas que despertem atenção para a importância dos cervídeos na manutenção do equilíbrio ambiental.
"São vários projetos e o objetivo principal é utilizar o cervo como espécie bandeira. Assim tornamos realidade não só a conservação dos cervídeos, mas também do seu principal habitat", afirma o coordenador do NUPECCE José Maurício Barbanti Duarti.
Como modelo de ação citamos o projeto intitulado "O retorno do cervo-do-pantanal após 100 anos de extinção na bacia do rio Mogi-Guaçu". A base de campo localiza-se na Estação Ecológica de Jataí, município de Luís Antônio (SP). Neste trabalho, o NUPPECE pretende obter um padrão de manutenção de populações reintroduzidas, estender o projeto em toda a extensão da bacia e desenvolver programas de educação ambiental.
"Nesse local em específico visamos contar com a ajuda fundamental dos proprietários. A várzea (habitat do cervo-do-pantanal) é um dos ecossistemas mais ameaçados do Brasil. Por isso, procuramos infundir a importância de se conservá-la. Assim, dizemos para o proprietário: você conserva a várzea e nós reintroduzimos os cervídeos", afirma Barbanti.
Os projetos têm a participação e o trabalho de bolsistas (pós-graduandos e acadêmicos) de cursos relacionados como Ciências Biológicas, Medicina Veterinária e Zootecnia. "A participação dos bolsistas sem dúvida é crucial para o andamento dos projetos. Hoje, quase a totalidade dos envolvidos nos programas é bolsista", comenta Barbanti.
Com todo o sucesso que os projetos tem alcançado era de se esperar amplo conhecimento e apoio de empresas, profissionais e agências financiadoras. Entretanto, há ainda algumas adversidades que comprometem o amplo desenvolvimento dos trabalhos. "Embora nosso trabalho seja atraente do ponto de vista ambiental temos grandes dificuldades de conseguir financiamentos junto às empresas", afirma.
Os financiamentos que recebemos em sua maioria provêm de grupos estatais (CNPq, FAPESP, Ministérios), mas as empresas privadas, por incrível que pareça, ainda vêem nosso trabalho com receio. "Sem apoio necessário não tem como desenvolver o trabalho da maneira que gostaríamos", lamenta Barbanti.
"O NUPECCE desenvolve projetos de pesquisa e de conservação. Porém, este último é que mais sofre pela falta de apoio financeiro. Precisamos de incentivos para que os bolsistas possam trabalhar unicamente com isso. Seria uma forma de reconhecer concretamente aquilo que muitas vezes é feito em caráter voluntário, somente por gosto", finaliza.
O contato com o NUPECCE pode ser feito através do e-mail nupecce@fcav.unesp.br ou pelo site da UNESP/Jaboticabal (www.fcav.unesp.br), onde estão contidas as informações gerais sobre o núcleo.
Fonte: UNESP