Notícia

Administradores

Núcleo de Inovação Tecnológica (NIT) é lançado

Publicado em 05 fevereiro 2007

Por Agência FAPESP

Agência FAPESP

Para facilitar a relação do pesquisador com o mercado e torná-la mais produtiva, o Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas (CBPF), o Laboratório Nacional de Computação Científica (LNCC) e o Observatório Nacional (ON) decidiram criar, em parceria, o Núcleo de Inovação Tecnológica (NIT).
O NIT será instalado no CBPF e atuará em duas frentes: na avaliação do que as instituições têm a oferecer e na prospecção de empresas e instituições que possam se interessar por seus serviços. As verbas para o projeto vêm da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep).
Segundo o CBPF, a primeira frente consistirá em fazer um levantamento do que, em cada instituição, pode ser aproveitado pelo mercado, seja para prestação de serviços ou para transferência de tecnologia. A segunda parte do trabalho será identificar, no setor produtivo, quem precisa da tecnologia derivada desses centros de pesquisa básica e oferecer o apoio jurídico necessário para que um acordo seja estabelecido.
A Lei de Inovação permite que as instituições façam consultoria, prestação de serviços e desenvolvimento de tecnologia em parceria com empresas. O NIT apoiará o relacionamento dos laboratórios dessas três instituições para que esses prestem serviço à comunidade e sejam também utilizados por empresas. Além disso, ele ajudará as instituições a proteger a propriedade intelectual, auxiliando-as na elaboração de contratos e patentes.
A idéia de fazer o núcleo em conjunto surgiu porque as três instituições trabalham com pesquisa básica e não têm como missão fundamental a transferência de tecnologia e venda de serviços. Os custos serão divididos. Para Ricardo Galvão, diretor do CBPF, não há uma cultura de transferência de tecnologia entre os pesquisadores brasileiros, e mudar isso é um dos desafios do NIT.
"Uma das metas é expandir nossa produção, que atualmente se restringe quase exclusivamente à publicação de artigos, passando também a transferir para a sociedade tecnologias que resultem de nossas atividades científicas. O importante agora é que o NIT seja conhecido", disse.
Mais informações: www.cbpf.br