Notícia

Jornal da Unesp online

Núcleo de Computação Científica abre chamada de projetos para o GridUNESP

Publicado em 19 março 2011

Interessados devem submeter trabalhos pela internet até o dia 30 de abril

O Núcleo de Computação Científica (NCC) da Unesp, sediado no Instituto de Física Teórica, Câmpus de São Paulo, abriu, por meio do projeto GridUNESP, uma nova chamada de projetos científicos para todas as áreas da ciência que apresentem demanda de poder computacional. A submissão dos projetos deverá ser feita com o preenchimento do "Formulário para Submissão de Projeto Científico", que pode ser obtido no endereço http://unesp.br/gridunesp/mostra_arq_multi.php?arquivo=5853 .

O formulário deve ser enviado pelo coordenador do grupo de pesquisa para o e-mail grid@ncc.unesp.br. A data-limite para a submissão de projetos é 30 de abril. Uma vez aprovado pela equipe técnica do NCC, os pesquisadores associados aos grupos de pesquisa poderão solicitar o cadastramento de usuários para submissão de tarefas ao GridUNESP.

De acordo com Sérgio Novaes, diretor científico do NCC, essa chamada dá sequência à principal meta do GridUNESP: "Com a abertura de novas fronteiras na investigação científica na Unesp, podemos alavancar a pesquisa em toda a Universidade."

Números

O GridUnesp foi inaugurado em setembro de 2009. Sua estrutura integra cerca de três mil unidades de processamento, das quais mais de duas mil no núcleo principal, instalado no Câmpus de São Paulo.

A estrutura computacional do GridUNESP foi concebida de modo que permita o acesso aos seus recursos a partir de qualquer ponto da Universidade, como explica Novaes. "O projeto atende atualmente 30 grupos de pesquisa e quase 200 pesquisadores da Universidade, nas mais diversas áreas do conhecimento", diz ele. "Em pouco mais de um ano, o GridUNESP já proveu mais de 11 milhões horas de processamento, o que equivale a 1250 anos de operação contínua de um computador pessoal."

Equipes de diferentes áreas utilizam o GridUNESP, como ciência de materiais, genômica, química quântica, biofísica, geociências e meteorologia. Além de prover poder de processamento de dados para toda a Universidade, o projeto investiu no aumento da capacidade de transmissão de dados entre os clusters, como são chamados os aglomerados de computadores que trabalham em conjunto. Isso foi possível por meio da ampliação da rede de fibras ópticas Kyatera. A ação foi realizada pela Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo) e permitiu a interligação de vários centros de pesquisa do Estado de São Paulo.