Notícia

A Tarde (BA)

Novo vírus em ave migratória é descoberto no Rio Grande do Sul

Publicado em 20 junho 2017

Por Amanda Silva

Pesquisadores do Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo (ICB-USP) descobriram um novo vírus em ave migratória. Nomeado de paramixovírus aviário 15, da mesma família do paramixovírus aviário 1, causador da doença de Newcastle, não representa risco para humanos, mas pode ser letal em aves.

A nova espécie de vírus aviário foi encontrada em amostra coletada de um maçarico (Calidris fuscicollis), ave migratória capturada em abril de 2012, no Parque Nacional da Lagoa do Peixe, no Rio Grande do Sul. Ainda será preciso fazer mais estudos para saber o grau de ameaça do novo vírus aviário, segundo os pesquisadores. “Geneticamente ele está mais próximo de vírus primeiramente descritos na América do Sul, o que nos leva a acreditar que ele possa ter se originado de nossa região mesmo”, disse Luciano Matsumiya Thomazelli, pesquisador do Laboratório de Virologia Clínica e Molecular do ICB-USP.

Análise

Os pesquisadores seguiram o método-padrão de análise das amostras. O resultado deu positivo para influenza no teste de PCR em tempo real – técnica de biologia molecular que detecta a presença do DNA/RNA procurado. Porém, quando os pesquisadores isolaram o vírus em ovos embrionados de galinhas, o resultado deu negativo para o vírus da doença de Newcastle, mas uma reação de aglutinação de hemácias indicava que se tratava de outro vírus, diferente do procurado.

“Fazemos monitoramento ativo de vírus em aves migratórias. Eu buscava encontrar o vírus da doença de Newcastle, um paramixovírus aviário 1, e meu colega Jansen de Araújo procurava detectar o vírus da influenza aviária para o seu projeto de pesquisa. Por fim, encontramos uma coinfecção: dois vírus, sendo que um deles era completamente desconhecido até então”, disse Thomazelli à Agência Fapesp.

“Mandamos a amostra para colaboradores no St. Jude Children’s Research Hospital, em Memphis, nos Estados Unidos, onde foi feito o sequenciamento do genoma completo do que havia em grande quantidade na amostra. Para nossa surpresa, a amostra continha coinfecção de influenza aviária e algo totalmente novo. Focamos em influenza e acabamos achando também outro vírus”, complementou.

A TARDE SP