Notícia

Metropóles

Novo tratamento para fibromialgia promete diminuição da dor

Publicado em 31 agosto 2018

Quem sofre com a fibromialgia sabe bem como é conviver com dores nas articulações, músculos, tendões, tecidos moles e em várias outras partes do corpo, de maneira ininterrupta. Um novo tratamento, desenvolvido por pesquisadores do Centro de Pesquisas em Óptica e Fotônica (CEPOF), Centro de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPID) apoiado pela FAPESP, promete uma esperança para pacientes com a síndrome: a combinação de ultrassom e laser, aplicados na palma das mãos ao invés dos pontos de dor.

A emissão conjugada de laser de baixa intensidade e ultrassom terapêutico, de acordo com os pesquisadores, tem reduzido consideravelmente a dor de pacientes com fibromialgia. Segundo os estudiosos, além da redução da dor, o tratamento feito na palma das mãos apresenta maior ação analgésica e anti-inflamatória, melhorando o sono, a capacidade de executar tarefas cotidianas e a qualidade de vida dos pacientes. O estudo foi publicado no Journal of Novel Physiotherapies.

Antônio Eduardo de Aquino Junior, pesquisador do Instituto de Física de São Carlos (IFSC) da Universidade de São Paulo (USP) e um dos autores do artigo, explicou que o estudo apresentou duas inovações principais: o equipamento e o protocolo de tratamento. “Ao combinar o ultrassom e laser, conseguimos normalizar o limiar de dor do paciente. Já o tratamento na palma das mãos contrapõe o tipo de atendimento feito hoje, muito focado nos pontos de dor”, disse o pesquisador.

Os resultados foram obtidos com dez sessões de tratamento, feitos duas vezes por semana. A pesquisa foi feita com 48 mulheres de 40 a 65 anos diagnosticadas com fibromialgia, divididas em seis grupos de oito.

Três grupos receberam emissões de laser, ultrassom ou a conjugação de ultrassom e laser na região do músculo trapézio. Os outros três grupos tiveram como foco do tratamento as palmas das mãos.

Na comparação entre ultrassom, laser e ultralaser aplicados no músculo trapézio, houve um percentual de diferença de 57,72% na melhora de funcionalidade e 63,31% na redução de dor para o grupo de ultralaser.

Já na comparação entre o tratamento no músculo trapézio e na palma das mãos com ultralaser, houve um percentual de diferença de 75,37% na redução de dor para o tratamento focado nas palmas das mãos.

“Estudos anteriores indicaram que pacientes com fibromialgia apresentam quantidade maior de neurorreceptores próximos aos vasos sanguíneos das mãos. Alguns pacientes chegam a ter até pontos vermelhos nessa região”, explicou Juliana da Silva Amaral Bruno, fisioterapeuta e primeira autora do estudo à FAPESP. “Por isso, mudamos o foco e testamos a atuação direta nessas células sensoriais das mãos e não só nos chamados pontos de gatilho de dor, como o músculo trapézio, região normalmente de muita dor para pacientes fibromiálgicos.”