Notícia

AOL - América Online

Novo teste detecta câncer antes do desenvolvimento do tumor

Publicado em 12 abril 2005

Uma novo teste para câncer, que consegue identificar com eficácia inédita a evolução de tumores, será anunciado nesta terça-feira (12), durante a conferência Physics 2005, na Universidade de Warwick, no Reino Unido.
A técnica pode ser empregada tanto para o diagnóstico da doença como para determinar seu estágio. De acordo com os pesquisadores envolvidos, a novidade pode ajudar a reduzir biópsias e mastectomias muitas vezes desnecessárias, pois é capaz de medir a evolução da doença apenas com o exame do tumor primário.


O novo método, chamado de esticador óptico, será apresentado por Josef Käs e Jochen Guck, da Universidade de Leipzig, na Alemanha, após vários anos de testes com diversos tipos de câncer.
A técnica permite obter outras informações importantes do comportamento da doença, como determinar, por meio de medidas das células do tumor primário, se a doença irá se espalhar. Ou seja, torna possível algo totalmente novo: diagnosticar metástases sem precisar localizar tumores secundários, que são freqüentemente difíceis de serem encontrados.

Diferente de técnicas tradicionais, que analisam características bioquímicas das células, o modelo proposto pelos pesquisadores alemães se baseia na verificação de características físicas das células, como a elasticidade. Células cancerosas costumam dispensar a estrutura externa que mantém suas formas, por isso se esticam mais do que as comuns.
"De todas as propriedades físicas de uma célula, a elasticidade é a que varia mais dramaticamente entre as células normais e as cancerosas", explica Käs em comunicado da universidade. Essa peculiaridade, segundo ele, representa uma característica que permite detectar a doença com alto grau de confiabilidade.

Enquanto as técnicas tradicionais de detecção do câncer exigem o uso de 10 mil a 100 mil células, o esticador óptico necessita de apenas 50 células. De acordo com os inventores, com amostras tão pequenas os diagnósticos poderão ser feitos antes que tumores sólidos se desenvolvam. Médicos também poderão realizar testes para verificar a incidência e a progressão da doença em regiões do corpo humano em que seria arriscado realizar procedimentos como biópsias.


(Agência Fapesp)