Notícia

MCTIC - Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações

Novo supercomputador do Inpe chega na segunda-feira (4)

Publicado em 30 setembro 2010

O novo supercomputador do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe/MCT) chega a São José dos Campos (SP) na manhã de segunda-feira (4), num vôo proveniente de Miami (EUA). O equipamento sai no sábado (2) de Chipewa Falls, Wisconsin (EUA), onde se localiza a fábrica e a unidade de Pesquisa e Desenvolvimento da Cray Inc. responsável pela máquina, e será embarcado para o Brasil no dia seguinte.

Para o transporte rodoviário e aéreo, entre os Estados Unidos e o Brasil, o supercomputador foi desmontado e acondicionado em 84 volumes. Cinco caminhões climatizados farão o transporte da carga entre Chippewa Falls, região norte dos Estados Unidos, até Miami, no sudeste do país. No aeroporto, a carga será dividida e acoplada a 24 paletes para o transporte aéreo, num avião DC-10.

Após o desembarque em São José dos Campos a carga passa pela inspeção da Receita Federal e ainda não há previsão de quanto tempo será preciso para realizar todos os procedimentos de sua nacionalização. Sete caminhões transportarão o supercomputador pela rodovia Presidente Dutra até o Centro de Previsão do Tempo e Estudos Climáticos (Cptec), unidade do Inpe em Cachoeira Paulista, trajeto que deve ser percorrido entre duas e três horas.

Todo o transporte, desde o momento em que a carga for retirada da fábrica da Cray até a chegada no Cptec, será em ambiente climatizado, a uma temperatura média de 10ºC. Só após um período de 24 horas no interior do prédio do Cptec, para uma nova fase de climatização, será iniciada a abertura dos volumes. A montagem e a instalação do supercomputador deve ocorrer ao longo de duas semanas, aproximadamente.

Logo após a montagem, o supercomputador será ligado, passando por um processo de customização ao longo de mais quatro semanas, e envolverá a adaptação e instalação de softwares operacionais, monitorados pelo grupo de Operação e Suporte do Cptec. Já o processo de migração dos modelos operacionais de previsão de tempo, clima e ambiental do Cptec, e daqueles relacionados às projeções de cenários de mudanças climáticas do Centro de Ciências do Sistema Terrestre (CCST), devem ocorrer nos meses seguintes.

A expectativa é de que o novo supercomputador esteja processando diariamente os modelos operacionais de previsão meteorológica e ambiental no início de 2011.

O novo supercomputador

Adquirido com recursos do Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT) e da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), o novo sistema de supercomputação será instalado para utilização pelo Cptec e pelo CCST, além dos grupos de pesquisa, instituições e universidades integrantes da Rede Brasileira de Pesquisa sobre Mudanças Climáticas (Rede Clima) do MCT, do Programa Fapesp de Pesquisa em Mudanças Climáticas Globais e do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia (INCT) para Mudanças Climáticas.

Ele permitirá gerar previsões de tempo mais confiáveis, com maior prazo de antecedência e de melhor qualidade, ampliando o nível de detalhamento para 5 km na América do Sul e 20 km para todo o globo. Será possível prever ainda eventos extremos com boa confiabilidade, como chuva intensa, seca, geada, ondas de calor, entre outros fenômenos. As previsões ambientais e de qualidade do ar também serão beneficiadas, gerando prognósticos de maior resolução, de 15 quilômetros, com até seis dias de antecedência.

A nova máquina também será fundamental para o desenvolvimento e implementação do Modelo Brasileiro do Sistema Climático Global, que incorporará todos os elementos do Sistema Terrestre (atmosfera, oceanos, criosfera, vegetação, ciclos biogeoquímicos, etc), suas interações e como este sistema está sendo perturbado por ações antropogênicas (por exemplo, emissões de gases de efeito estufa, mudanças na vegetação, urbanização, etc.).

Este esforço envolve um grande número de pesquisadores do Brasil e do exterior, provenientes de diversas instituições, o que se constitui num projeto interdisciplinar de desenvolvimento de modelagem climática sem precedentes entre países em desenvolvimento.

O novo supercomputador amplia em mais de 50 vezes a capacidade de processamento no Inpe. A atual infraestrutura computacional opera no limite de sua capacidade, o que tem impedido a incorporação de avanços já desenvolvidos nas áreas de modelagem numérica, modelagem de mudanças climáticas, assimilação de dados, química e aerossóis, atmosfera, oceanos e vegetação, que deverão trazer melhorias às previsões de tempo e clima e às simulações de mudanças climáticas.