Notícia

Secretaria de Ensino Superior (SP)

Novo reitor da UNESP fala sobre as prioridades na gestão

Publicado em 07 janeiro 2009

Atualização do quadro de pessoal e inauguração do campus no bairro da Barra Funda serão prioridades.

A atualização do quadro de pessoal e a inauguração do novo campus no bairro paulistano da Barra Funda serão duas das prioridades da gestão do novo reitor da Universidade Estadual Paulista (UNESP), Herman Jacobus Cornelis Voorwald, que assumirá o cargo no próximo dia 14 de janeiro.

  Professor da Faculdade de Engenharia (FE), no campus de Guaratinguetá, interior de São Paulo, Voorwald é vice-reitor e assessor-chefe de Planejamento e Orçamento da gestão comandada pelo reitor Marcos Macari.

  Voorwald e o vice-reitor eleito, o professor da Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias de Jaboticabal Julio Cezar Durigan, obtiveram maioria absoluta na eleição, com 66,88% dos votos válidos, e tomarão posse em cerimônia no Memorial da América Latina, na capital paulista.

  "Sou o atual vice-reitor e, com isso, é evidente que a gestão se pautará por uma idéia de continuidade. A filosofia e as estratégias serão as mesmas da atual gestão", disse Voorwald à Agência FAPESP.

Segundo ele, a expansão de vagas realizada recentemente na UNESP, a exemplo do que ocorreu na Universidade de São Paulo (USP) e na Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), transformou o quadro de funcionários em prioridade.

  "Uma das ações que considero mais importante de agora em diante é atualizar o quadro de pessoal, já que, além da aposentadoria de professores e servidores técnicos e administrativos nos últimos anos, tivemos uma grande expansão de vagas", afirmou.

  Outra prioridade é a implantação do novo campus da Barra Funda, que deverá ser inaugurado nesta quarta-feira (7/1). "São 14 mil metros quadrados de área construída em um terreno de 24 mil metros quadrados. O novo campus abrigará o Instituto de Artes, que hoje fica no bairro do Ipiranga, e o Instituto de Física Teórica, que fica na Bela Vista", explicou.

  Voorwald conta que, já no novo campus, o Instituto de Física Teórica (IFT) completará a implementação do Programa de Integração da Capacidade Computacional da Unesp (GridUnesp), um sistema de infra-estrutura computacional de alto desempenho.

  "Por decisão do Conselho Universitário da Unesp, o Instituto de Física Teórica e o Instituto de Pesquisas Meteorológicas, em Bauru, estão se fundindo para se tornar uma unidade experimental. Essa fusão resultará - assim que os órgãos colegiados aprovarem - na criação de cursos de graduação nas áreas de física ambiental, física financeira e nanociências, além do bacharelado em meteorologia", disse.

  De acordo com Voorwald, a fusão já foi aprovada pelo Conselho Universitário, que passou ao Conselho de Pesquisa e Extensão a aprovação de propostas para os cursos e projetos pedagógicos. "O instituto de Bauru continuará como unidade de pesquisa e os alunos que optarem pelo curso irão para lá na fase mais prática dos estudos. A consolidação do novo campus de São Paulo será uma das prioridades da gestão", destacou.

Busca da excelência

  A terceira grande prioridade será a consolidação dos campi experimentais criados em 2008. "Foram criados 38 novos cursos e oito deles estão em sete dos campi experimentais: Sorocaba, Registro, Itapeva, Dracena, Tupã, Ourinhos e Rosana", disse. A cidade de Sorocaba sedia dois novos cursos: engenharia ambiental e engenharia de automação e controle.

"Além desses oito, os outros 30 foram criados nas outras unidades da Unesp no estado. Isso significa que será preciso reestruturar o quadro funcional. Essa será seguramente uma das ações mais importantes da gestão", afirmou.

  Voorwald afirma ainda que sua gestão terá início com a discussão e preparação de um plano de desenvolvimento institucional para os próximos dez anos. "Os objetivos centrais serão o avanço em direção ao reconhecimento internacional e a busca de excelência na universidade. Queremos enfatizar a atuação da Unesp nas atividades de pesquisa", disse.

  Segundo o reitor eleito, para que a Unesp se enquadre no modelo de universidade de pesquisa, será preciso uma excelente inserção em uma graduação forte e uma pesquisa sólida, resultando em bons programas de pós-graduação e no desenvolvimento de atividades de extensão que possibilitem o acesso da sociedade ao conhecimento produzido na instituição.

  "O plano de gestão valoriza a Unesp como uma instituição séria, crítica, produtiva, empreendedora e fiel aos seus valores e à sua história, além de respeitadora das normas estatutárias, decisões dos órgãos colegiados e ponderações que emanam da coletividade", disse.