Notícia

Gestão C&T

Novo presidente da Fapes destaca necessidade de inovação

Publicado em 18 outubro 2007

Por Danilo Godoi para o Gestão C&T online

O físico Luciano Terra Peixoto e o economista Marcos Adolfo Ribeiro Ferrari, assumiram, respectivamente, no início deste mês, a presidência e a diretoria técnico-científica da Fundação de Apoio à Ciência e Tecnologia do Espírito Santo (Fapes). Em entrevista ao Gestão C&T online, Peixoto explica que uma das principais metas de sua administração será difundir a missão da Fapes para, então, incitar nos empresários do Estado a importância de se criar, sistematicamente, produtos novos e que sejam interessantes à população. "A inovação é uma necessidade mercadológica", ressalta.

Como a Fapes foi criada recentemente (2005), o presidente explica que é essencial buscar a experiência das instituições que são reconhecidamente importantes na área de C&T, como a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp). Ele também pondera que sua atuação como diretor de pesquisa e chefe do Departamento de Física da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), bem como a de formulador da política municipal de ciência e tecnologia de Vitória (ES), em 1996, lhe ajudarão a administrar a instituição. "É um Estado que está crescendo acima da média nacional", destaca. Assim, ele enfatiza a necessidade da Fapes atuar positivamente em prol desse desenvolvimento.

Em relação aos recursos da fundação para o próximo ano, o presidente afirma que o orçamento não está definido. Mas a previsão de Peixoto é que a fundação tenha um orçamento de cerca R$ 22 milhões, oriundos de recursos próprios, do CNPq, da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) e de outros convênios.

Currículos

Luciano Terra Peixoto é doutor em física pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e pós-doutor pelo Imperial College, de Londres. Foi professor da Universidade de Brasília (UnB) e da Universidade Metodista de Piracicaba (Unimep-SP).

Marcos Adolfo Ribeiro Ferrari é graduado em ciências econômicas e mestre em economia pela Ufes. Atualmente é doutorando do Instituto de Economia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Já atuou como gerente de Inovação para a Competitividade, da Secretaria de Estado de Ciência e Tecnologia do Espírito Santo (Sect/ES), instituição associada à ABIPTI.