Notícia

Rede Clipex

Novo método mede hormônios do estresse no plasma sanguíneo

Publicado em 09 agosto 2018

Pessoas expostas ao estresse crônico costumam apresentar níveis sanguíneos elevados do hormônio cortisol, cujo papel é preparar o corpo para lidar com situações desafiadoras – aumentando a frequência cardíaca e os níveis de açúcar no sangue, por exemplo. Esse estado de alerta constante pode contribuir, ao longo do tempo, para o desenvolvimento de doenças metabólicas e psiquiátricas.

Entender a participação do cortisol e de um de seus principais metabólitos – o 11-DHC – no desenvolvimento de depressão é o objetivo de uma linha de pesquisa coordenada pela professora Lúcia Helena Faccioli, da Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto (FCFRP) da USP. Para isso, o grupo desenvolveu um novo método para dosar com precisão no plasma sanguíneo de animais e de humanos o nível de seis diferentes hormônios esteroides: cortisol, cortisona, corticosterona, progesterona, aldosterona e 11-DHC.

Técnica desenvolvida na Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto da USP pode ajudar a entender o envolvimento do cortisol e de outros esteroides na depressão – Imagem: Journal of Mass Spectrometry

“Todas essas substâncias são mediadores lipídicos envolvidos em diversas patologias, entre elas a depressão. Mas para entender como isso tudo é regulado precisávamos de uma metodologia mais simples e precisa para medir os níveis desses hormônios tanto no sangue como nos tecidos afetados”, disse Lúcia à Agência da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp). O novo sistema faz uso da espectometria de massas, que é uma técnica de análise usada para identificar moléculas medindo sua massa e caracterizando sua estrutura química.