Notícia

Click Sete

Novo medicamento cria grandes expectativas na luta contra o câncer

Publicado em 24 maio 2021

Segundo os dados apresentados pela pesquisa ainda em testagem pré-clínica (em animais), o medicamento reduziu em 47% a incidência de metástase – formação de uma nova lesão tumoral a partir de outra, mas sem continuidade entre as duas – no fígado e nos pulmões e, também, aumentou a sobrevida dos camundongos tratados com o remédio em comparação aos que não receberam doses do fármaco.

"Se for confirmado, a droga teria um efeito sistêmico, não apenas inibindo a migração do tumor para outros tecidos, como também bloqueando a geração de novos vasos que o fazem crescer"

O estudo, financiado pela Fapesp, foi publicado na revista “Scientific Reports”. “Esse medicamento é um inibidor do receptor da endotelina A, que age na constrição dos vasos sanguíneos. Por isso, é usado para tratar a hipertensão pulmonar – normalmente causada por doenças autoimunes como lúpus e esclerose sistêmica”, explica Otávio Cabral Marques, pesquisador do Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo (ICB-USP) e coordenador do estudo.

Segundo ele, apesar de algumas diferenças, a ação é bem parecida no que diz respeito ao tratamento para câncer.

“As células em que ele agiu foram diferentes, mas o receptor que ele age também se expressa em células cancerígenas. Esse receptor que controla e modula a pressão do material pulmonar desses pacientes hipertensos também modula a movimentação das células tumorais. Ele atua em algumas vias, que a gente chama de vias de sinalização, são moléculas, comunicadores que trabalham dentro das células mandando informação para a célula se movimentar e espalhar. Então ele controla, modula e reduz essa ativação”, afirma.

É como se esse receptor, então, colocasse a célula em estado de alerta e de movimentação para o estado natural e não cancerígeno. Mas, ao que tudo indica, os resultados apresentados pelo estudo podem ir além.

“Parece que o efeito da droga não é apenas na migração das células tumorais, mas também na neoangiogênese, ou seja, na formação de novos vasos sanguíneos necessários para alimentar o tumor. Estamos realizando experimentos para comprovar isso. Se for confirmado, a droga teria um efeito sistêmico, não apenas inibindo a migração do tumor para outros tecidos, como também bloqueando a geração de novos vasos que o fazem crescer”, aponta o coordenador do estudo.

RISCOS?

A princípio, o medicamento não apresentou reação adversa, fator importante no tratamento de câncer, já que as terapias atuais normalmente expressam métodos invasivos e com efeitos colaterais fortes e nocivos ao organismo. É o caso da quimioterapia, por exemplo.

“Esse medicamento não tem o mesmo impacto danoso que os outros teriam. A ideia, então, seria associar o tratamento do câncer com esse medicamento para que ele possa reduzir a necessidade da quimioterapia excessiva. Essa redução pode ser algo muito benéfico para os pacientes, tanto do ponto de vista do tratamento em si quanto no que tange a qualidade de vida do paciente com câncer”, aponta Otávio Mendes.

Além disso, o pesquisador ressalta que, haja vista o já uso do medicamento para tratar quadros de hipertensão pulmonar, o fármaco já é testado e comprovado como não danoso. Mais um ponto positivo e de esperança para os pacientes com câncer.

O ESTUDO

A pesquisa foi uma surpresa boa também para os pesquisadores. “Estávamos estudando sobre anticorpos e usávamos o medicamento para bloquear os anticorpos, e vimos que o efeito do fármaco era bloquear o espalhamento dessas células. Foi um acidente, na verdade. Aí, pensamos: ‘Se está fazendo isso, será que se usarmos no tumor, não vai ser importante para reduzir a metástase?’.”

“Então, comecei e analisar várias linhagens de células de tumor e fazer experiências. Não foi premeditado, foi acidental. De vez em quando isso acontece, é um fenômeno interessante”, conta Otávio Mendes.

A pesquisa usou uma técnica para medir a migração celular para, em seguida, testar o medicamento. Então, camundongos no estágio inicial de uma linhagem agressiva de câncer de mama foram tratados por duas semanas antes de terem o tumor implantado e duas semanas depois. Nesse experimento, a redução da metástase foi de 43%, aumentando a sobrevida dos animais.

“Como a metástase das células 4T1 ocorre muito rapidamente nos camundongos, iniciamos o tratamento antes, para podermos nos aproximar mais do que aconteceria com humanos”, explica o pesquisador.

Agora, o estudo se prepara para os testes clínicos. A ideia é testar o medicamento em pacientes que já realizam quimioterapia e observar se eles se recuperam melhor do que o grupo controle, que passa apenas pelo tratamento padrão.

E embora o fármaco tenha a vantagem de ser administrado por via oral, o pesquisador acredita na possibilidade de fazer uma aplicação direta no tumor, de forma a aumentar o efeito. Ainda não foi definido em que tipo de câncer serão feitos os testes clínicos.

Haja vista a ainda testagem clínica do medicamento para tratar cânceres, o uso do fármaco ainda não é indicado em quadros de tumores malignos.

"Esses estudos avaliaram a frequência e os tipos de atrasos e interrupções na prevenção ou no tratamento de pacientes com câncer em todo o mundo"

Estudo aponta impacto da pandemia na oncologia

Desde que a pandemia de COVID-19 atingiu o Brasil, em março do ano passado, saúde e bem-estar se tornaram o cerne do mundo e das discussões públicas. Porém, os impactos negativos foram, e ainda são, enormes no que tange ao rastreamento, prevenção, diagnóstico e tratamento de patologias secundárias.

Na oncologia, os dados ilustram bem a situação, como aponta um estudo brasileiro realizado pelo Núcleo de Avaliação de Tecnologias em Saúde Sírio-Libanês Ensino e Pesquisa, do Hospital Sírio-Libanês.

De acordo com a pesquisa – feita por meio do mapeamento e análise de evidências científicas de cerca de 3 mil publicações –, liderada pela reumatologista Rachel Riera e de coautoria de oncologistas do Departamento de Doenças não Transmissíveis da Organização Mundial da Saúde (OMS), mais de 50% dos pacientes com câncer atrasaram o tratamento por conta da pandemia de COVID-19.

O estudo também mostrou, por meio de levantamentos, que 60% dos médicos reportaram atrasos no tratamento, sendo que 90% se referiam à radioterapia, 20% à quimioterapia e 76% às cirurgias.

Além disso, 77,5% dos pacientes interromperam os tratamentos durante a pandemia, inclusive o de cuidados paliativos. Nesse mesmo cenário, o relato de médicos em relação à interrupção de terapias é de 48%.

Também foi observado o atraso nos transplantes de células-tronco, segundo relato de 73% dos oncologistas. Ainda conforme os índices levantados, 88,5% dos centros oncológicos afirmaram ter registrado atrasos da pandemia na realização de exames laboratoriais para diagnóstico de câncer e 83,6% apontaram demora nos exames de imagem. O resultado disso: 77% de queda nos diagnósticos de câncer desde o início da pandemia de COVID-19.

NÃO COMPARECIMENTO

Outros dados sobre consultas apontam que 95% dos pacientes, médicos e centros médicos especializados reportaram cancelamento de consultas de acompanhamento, ao mesmo passo em que 42,5% dos médicos e pacientes apontaram que, muitas vezes, nem sequer havia a comunicação, mas apenas o não comparecimento em consultas já marcadas.

Os principais motivos para o atraso ou interrupção de tratamentos oncológicos por parte dos pacientes, segundo o levantamento, diz respeito ao medo de contágio da doença causada pelo novo coronavírus – COVID-19. Já para os médicos, as justificativas foram: risco de contrair COVID-19, falta de medicamentos, falta de equipes e falta de serviços de apoio.

“Esses estudos avaliaram a frequência e os tipos de atrasos e interrupções na prevenção ou no tratamento de pacientes com câncer em todo o mundo. A produção científica durante a pandemia está sendo intensa e crescente, o que possibilitou uma gama muito grande de estudos que pudessem ser incluídos na revisão sistemática. No entanto, isso também exige que a revisão seja atualizada frequentemente”, aponta Rachel Riera.

Para o oncologista Felipe Roitberg, do Hospital Sírio-Libanês e consultor da OMS, também autor da revisão sistemática, o trabalho constitui o melhor nível de evidência possível para tomadas de decisão em saúde pública.

“O principal objetivo agora é entender onde moram os elementos responsáveis pelos atrasos e disrupções no sistema de saúde mapeados pelo estudo publicado, mensurá-los por meio de modelos preditivos, e apontar soluções que minimizem os consequentes atrasos no atendimento aos pacientes de doenças crônicas, entre elas o câncer. Dessa forma, os países poderão mensurar as vidas salvas ao retomar os cuidados dos pacientes e salvar vidas”, diz.

Essa revisão sistemática inclui a análise de estudos avaliados que reportam dados de pacientes com câncer de mama, cabeça e pescoço, urológico, colorretal, pele, hematológico, ginecológico, pediátrico e pulmão. Também foram analisados estudos que destacam diferentes tipos de câncer. A pesquisa foi publicada na última edição da revista JCO Global Oncology, da Sociedade Norte-Americana de Oncologia Clínica (Asco, na sigla em inglês). (JM)

Tag:

Essa notícia também repercutiu nos veículos:
Folha de Pernambuco online UOL Portal R7 Estado de Minas online Estado de Minas Quimiweb Diário do Pará online Meio Norte online (Piauí) Galileu online A Crítica (AM) online Belém online Viralizado A Crítica (MS) online O Estado do Maranhão online Portal da Enfermagem Jornal Alerta CliqueABC Coluna Supinando Saense RM Consult Coluna Supinando Diga Bahia FOCEP Brasil Blog Jornal da Mulher Blog De Tudo Um Pouco Blog da Carol Araujo Blog Petrolândia Conectada Araraquara24horas Blog da Simone Duarte Jornal Fatos & Notícias Blog de Notícias Vida FM Casa de Notícias Saúde em Tela Panorama Farmacêutico NewsBeezer Pelo Mundo DF Confap - Conselho Nacional das Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa Portal do Governo do Estado de São Paulo Time 24 News (EUA) Pfarma Antenados Rede Interativa Zatum Novo Cantu Notícias Diário em Foco Roberto Crispim Mix Vale BSB Notícias Agência de Notícias – Defesa Rádio Nova Onda FM 87,9 Notícias ao Minuto Rádio Cultura FM 101,7 Roberto Crispim Região Noroeste Nova Mais Radar C Info na VWeb Jornal SP Norte Rádio Cidade Nova FM 104,9 Biblioteca FMUSP Rádio Liberdade FM 87,9 Guia Viver Bem Beto Ribeiro Repórter Plantão News (MT) Mato Grosso Digital São Bento em Foco Folha de Sabará online Acontece no RS Guarantã News Farmacêutico Márcio Antoniassi Blog Lajes News - RN Folha de Itapetininga Panorama Farmacêutico Sete Lagoas.com.br Conecta Oeste Rota do Sertão Coluna Supinando Portal Niterói Zona Sul Notícias Blog 3 Poderes O Melhor da Cidade Portal Terra Santa Notícias Rádio Uau Portal Niterói Grava News - Jornal de Alfenas Minha Pará de Minas Cidade Notícia Lucas em foco Garanhuns Notícias Acre ao Vivo Zona Sul Notícias Penha News Portal G86 Portal Manhumirim Radar MT Patriota SP Conexão Na Cidade Portal Afunilados Verguia Fatos Locais Diário D4 Notícias Extra News MS Rio Brilhante News Grupo News Paraná Giro 7 Giro Notícias Goiás Oeste Ao Vivo A Voz dos Municípios (Laranjeiras, Sergipe) online BF News Capital Bahia Jornal Piauí Noticias Oeste 360 Alagoas Agora online Poder e Notícia LauroCITY MaisAM Maranhão em Pauta Radio Metropolitana (Cuba) Brasil de Olho Bom Dia Cidade Notícias Cabreúva Online Rádio Leme FM Relata Bahia Toni Rodrigues Portal Chapada Grande Rádio Atalaia FM 87,9 REEN - Rede de Entretenimento, Esportes e Notícias Jornal da Ciência (Angola) Blog Diário Tancredense Portal do Parente Palavra Franca Canal Farma - Tech4Health Blog Colado na Notícia Blog Jornal Primeira Hora Rádio Mapele FM Shape Forte Toda Hora Web Jornal A Voz do Povo online (Uberlândia, MG) Oeste 360 Rádio Leme FM Tem de Tudo Portal Agora Notícias Viva Marília