Notícia

Diário da Manhã (GO)

Novo canal de negócios

Publicado em 24 setembro 2006

Com o advento da tecnologia, as empresas dão adeus aos pápeis e inauguram a era do website (página de internet). A página e o domínio (endereço virtual utilizado para identificar sites na internet) são as ferramentas para "aparecer" na rede. No mundo dos negócios, possuir o próprio domínio significa ter um endereço onde é possível localizar seu empreendimento na internet e através dela em qualquer lugar do mundo. Sócio-diretor da Raja Inteligência em Comunicação, Renato Mendes diz que ter um site não é mais uma opção para as empresas. Para ele, o projeto web deve fazer parte das estratégias de negócios, da comunicação interna ou externa, do relacionamento com o cliente e outros. Trata-se de um investimento acessível a todos os tipos de empresa, das micro às grandes, que se bem administrado pode fazer a diferença nos negócios.

Uma entrada triunfante no mundo virtual requer estratégias. A primeira delas é fazer do domínio a melhor referência da empresa na internet. Assim como no mundo real, todo empreendimento precisa registrar sua marca, da mesma forma acontece com o domínio. O registro do endereço brasileiro (com.br) é realizado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e custa R$ 30 por ano. A importância dessa marca pode ser a diferença entre o reconhecimento e o ostracismo digital.

Para as pequenas e micro empresas, a importância de ter um domínio e um site é maior do que para as grandes corporações. Segundo o diretor e sócio-proprietário da Ilion Soluções, Sérgio Calura, um site bem estruturado, atraente e profissional abre espaços iguais tanto para os pequenos quanto para os grandes negócios. "Na internet o que vale é a postura, as idéias e o respeito que o empreendedor passa para o cliente através da sua home page", destaca.

Como a verba pequena para marketing e comunicação, o site se mostra como uma ferramenta que proporciona autonomia, seja com um sistema de vendas via web ou uma central de atendimento aos clientes."É mais barato e mais fácil trabalhar através da internet", explica Renato.

O investimento feito em um site não é perdido, pelo contrário, se bem trabalhado, o retorno pode vir rapidamente. Em Goiânia, o custo médio de um site de apresentação, no qual conste produtos, serviços e endereço da empresa, varia de R$ 3 mil a R$ 4 mil. O valor da manutenção mensal custa entre meio e um salário mínimo, desde que especificado em contrato. Se bem divulgado, o retorno dos recursos empregados chega a partir do segundo mês. "As empresas precisam perceber é que a internet é a melhor e mais barata forma de relacionamento, comunicação e vendas à disposição delas", diz Renato.

Os empresários goianos estão mais disponíveis para adentrar no mundo virtual. Embora muitos ainda considerem o investimento desnecessário, o número de empresas que chegam à internet aumenta a cada dia. Segundo o presidente da Comunidade Tecnológica de Goiás (Comtec) e sócio-proprietário da Interagi Tecnologia, Regner Santos, há cerca de cinco anos possuir um site era artigo de luxo, hoje é uma questão de necessidade. O endereço eletrônico é algo que já faz parte de uma empresa, assim como número de telefone e endereço. "A tendência é de que cada vez mais o domínio de uma empresa seja valorizado com parte do patrimônio do estabelecimento à medida que o site fica conhecido."

A expansão da internet permitiu que muitos negócios fossem criados apenas no âmbito virtual. Um exemplo é a loja submarino.com.br, empreendimento onde todas as vendas, compras e negociações são feitas via internet. O site www. ingressos.com.br também efetua vendas apenas pelo serviço virtual. Neste,o cliente escolhe o ingresso, a mesa ou a poltrona . Após a compra ele imprime o bilhete e o comprovante de aquisição. Para muitas pessoas, é determinante que uma empresa que lhe presta algum serviço esteja preparada para atendê-la no ambiente digital.

Diário da Manhã (Goiânia/GO) — Economia — 24/09/2006 — Pág. 11