Notícia

O Serrano online

Novas formas de aprender

Publicado em 19 novembro 2009

Por Fábio Reynol

Agência FAPESP - Todas as terças-feiras, cerca de 30 agentes da Prefeitura Municipal de Pedreira (SP) se reú-nem para aprender a lidar com novas tecnologias e partilhar registros de visitas e entrevistas feitas com a população da cidade.

O encontro faz parte do projeto de doutorado de Carla Lopes Rodrigues, bolsista da FAPESP, vencedor da primeira edição do Prêmio Instituto Claro - Novas formas de aprender, entregue em cerimônia realizada dia 11 de novembro.

Orientado pelo professor José Armando Valente, do programa de Pós-graduação em Artes Visuais do Instituto de Artes (IA) da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), o trabalho de Carla avalia a aplicação de recursos audiovisuais como ferramentas de apoio em programas sociais envolvendo saúde e educação.

Munidos de câmeras fotográficas e de vídeo e gravadores digitais, os agentes fazem entrevistas com a população e registram as visitas às residências. O material é avaliado em reuniões com médicos e outros profissionais de saúde, que discutem as demandas e necessidades locais bem como a melhor maneira de atendê-las. Para isso, o programa tem parceria com o Departamento de Medicina Preventiva e Social da Faculdade de Ciências Médicas da Unicamp e com o Laboratório Interdisciplinar de Pesquisa-ação para Comunidades Saudáveis (Lipacs) do Departamento de Multimeios do IA.

"Além de debater soluções para essas demandas, o projeto trabalha a inclusão social", ressaltou Carla, salientando que antes do programa apenas três desses agentes públicos tinham e-mail. Hoje, além de terem endereço eletrônico, todos são periodicamente capacitados nos usos de equipamentos multimídia.

O trabalho também propõe soluções tecnológicas para determinados problemas. "Um jogo eletrônico, por exemplo, pode ajudar na educação de jovens sobre gravidez na adolescência", indicou. O objetivo é promover a inclusão digital e testá-la como ferramenta para identificação de problemas e de auxílio a soluções.

A iniciativa utiliza como canal de Inclusão Digital a rede social inclusiva "Vila na rede", que integra o projeto e-Cidadania, uma nova proposta de rede social on-line em desenvolvimento no âmbito do Instituto Virtual de Pesquisas FAPESP-Microsoft Research.

As reuniões, parte presenciais, parte virtuais, contam com a infra-estrutura de um telecentro do programa Governo Eletrônico - Serviço de Atendimento ao Cidadão (GESAC) montado na cidade de Pedreira. Esse espaço público possui conexão com a internet através de uma infovia municipal e está ligado em rede por meio do ambiente Tidia-Ae/Sakai do Lipacs - plataforma desenvolvida no Programa Tecnologia da Informação no Desenvolvimento da Internet Avançada-Aprendizado Eletrônico (Tidia-Ae) da FAPESP.

Nessa primeira versão, o Prêmio Instituto Claro recebeu 1.365 inscrições em três categorias: Vivência, Desenvolvimento e Pesquisa, esta última dividida em dois subgrupos "Gradua-ção/Curso técnico" e "Pós-graduação" da qual Carla foi a vencedora. Thomas Eduardo Schiffino de Oliveira, aluno da Universidade Federal do Mato Grosso, foi o vencedor na categoria "Graduação".

Mais informações: www.institutoclaro.org.br.