Notícia

Pensamento Verde

Nova técnica produz plástico biodegradável em minutos

Publicado em 05 dezembro 2015

Todo mundo sabe que as sacolas plásticas são grandes inimigas do meio ambiente, no entanto, não é fácil para muitas pessoas abrirem mão das embalagens em nosso dia a dia. A Embrapa acaba de desenvolver um produto amigo do meio ambiente, que é de fácil produção e que pode ser um substituto à altura das sacolas convencionais. O plástico biodegradável é melhor absorvido pela natureza e alivia o ambiente de um dos piores produtos para se decompor: as embalagens plásticas feitas de polietilenos (derivados do petróleo).

As partículas biodegradáveis são feitas à base de substâncias provenientes da agricultura e da agroindústria e são 100% naturais. A técnica elaborada no Laboratório de Nanotecnologia da Embrapa Instrumentação (SP) foi batizada de casting contínuo e é resultado de 20 anos de estudos com polímeros naturais. Para fazer o plástico são utilizadas proteínas como o colágeno, polissacarídeos como a quitosana ou amidos como os presentes em mandiocas, derivados de celulose etc.

Essas substâncias entram em formulações aquosas e são transformadas em películas finas de alta transparência. Elas são feitas em apenas 10 minutos com a nova técnica, que não necessita de materiais tóxicos para compor o resultado final. Além de “amigos” do meio ambiente, esses plásticos são também mais seguros para embalar alimentos, já que reduzem a zero o risco de contaminação por elementos tóxicos.

Por ser tão rápido de ser produzido, o plástico biodegradável pode ter uma boa inserção no mercado e ser produzido e vendido a preços menos elevados. Como ele também se degrada rapidamente durante a compostagem, não precisa ser separado dos outros rejeitos orgânicos. No momento, a técnica ainda passa por mais pesquisas e não tem previsão de ser lançada no mercado.

Os recursos da pesquisa são do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) por meio da rede SisNANO, sistema de laboratórios multiusuários que o Laboratório Nacional de Nanotecnologia para o Agronegócio (LNNA) passou a integrar em 2013. A pesquisa conta ainda com uma parceria entre a Embrapa e o Serviço de Pesquisa Agrícola dos Estados Unidos (ARS).