Notícia

Eco News

NOTÍCIA: Relato de primeiro lagarto endotérmico: os teiús!

Publicado em 22 maio 2016

Querido ecoleitor, vamos revelar uma novidade para abalar com seus conhecimentos sobre répteis!

Biólogos canadenses e brasileiros do Instituto de biociências da Universidade Estadual Paulista (Unesp), com o apoio da FAPESP, recentemente descobriram um caso de endotermia em lagartos da espécie Salvator merianae, popularmente conhecidos como teiús ou tejus. São lagartos de grande porte, podem atingir um comprimento total de 2m.

A princípio os pesquisadores mantiveram quatro indivíduos (dois machos e duas fêmeas) em cativeiro com suas temperaturas e frequências cardíacas monitoradas por um ano. A partir disso, puderam observar a oscilação da temperatura corporal desses lagartos. E foi aí que tiveram a grande surpresa!

No período do acasalamento, a temperatura do corpo dos animais permanece elevada, vários graus acima da temperatura do ambiente.

O resultado esperado seria que temperatura corporal dos lagartos oscilasse de acordo com a temperatura do ambiente, em todos os meses do ano. Ao contrário disso, os lagartos apresentaram temperaturas corporais mais elevadas que a do ambiente durante os meses de atividade reprodutiva, do início de abril ao início de setembro, evidenciando o hábito endotérmico e não ectotérmicos da espécie, como já é bastante convencional na literatura científica para os répteis em geral.

Para comprovar esta hipótese, os estudiosos confinaram dez indivíduos em uma câmara climática com temperatura constante e novamente suas temperaturas foram monitoradas. O resultado foi o mesmo! Os lagartos conseguiram manter suas temperaturas corporais acima da temperatura do ambiente em que estavam.

Interessante que não houve divergência entre as temperaturas de machos e fêmeas. O esperado era que a temperatura das fêmeas fosse maior que as dos machos pelo investimento energético na formação dos ovos e na produção de gametas, mas supõe-se que os machos também necessitem que temperaturas mais elevadas por serem territorialistas e constantemente enfrentarem disputas com outros machos.

Apesar desta descoberta parecer um pouco insignificante (embora bombástica), traz dados muitos interessantes quando pensamos em evolução! Esses lagartos podem ter sido os precursores de toda uma linhagem endotérmica, que são as aves e os mamíferos. O próximo passo dos pesquisadores é descobrir se este comportamento térmico do Salvator merianae ocorre em outros répteis.

Petiana Responsável: Katharina Nino

FAPESP