Notícia

Jornal do Brasil

No país do sol, falta de vitamina D

Publicado em 27 outubro 2009

Apesar do sol forte o ano inteiro em praticamente todo o território nacional, pesquisadores da USP descobriram que o brasileiro é um povo com carência de vitamina D - que é sintetizada pela luz solar. O problema se deve à má alimentação e à falta de atividades ao ar livre.

Jovens que não tomam café da manhã - um hábito não tão raro - sofrem mais com o problema. Isto foi constatado num dos estudos, realizado pela USP, junto a 136 adolescentes de São Paulo. Segundo a pesquisadora Bárbara Santarosa Emo Peters, autora do estudo, 62% deles tinham insuficiência da vitamina.

Por meio das entrevistas com os participantes, Bárbara percebeu que muitos não tomavam café da manhã para poder dormir um pouco mais antes de ir à escola. Quem tomava café da manhã todo dia ingeria quase o dobro de vitamina D do que quem não tomava. Além disso, os adolescentes que praticavam esportes ao ar livre também apresentaram maiores níveis da vitamina - cerca de 90% da absorção deste nutriente se dá pela exposição à luz solar, com o restante sendo resultado da alimentação.

Nenhum dos jovens que participou da pesquisa ingeria a quantidade recomendada de vitamina D. Alimentos como salmão, sardinha, leite e derivados (somente os integrais) são ricos em vitamina D.

Outro estudo da USP, feito com 603 adultos na capital paulista, mostrou que 77,4% dos analisados apresentavam o problema, no inverno, índice que caiu para 39,6% no verão - percentual ainda considerado alto por Rosa Maria Affonso Moysés, médica e pesquisadora do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo e coordenadora do estudo.

- Estamos em uma área subtropical e, por conta disso, imaginávamos que a exposição solar fosse suficiente para que não houvesse um número tão elevado de hipovitaminose - disse.

Estudos recentes têm associado a deficiência da vitamina D a riscos de doenças como hipertensão, gripe ou problemas cardiovasculares. Por outro lado, ela ajuda no crescimento de crianças, fortalece os ossos e previne a osteoporose. Por conta disso Rosa lembra que em alguns países, como Noruega, Finlândia, Dinamarca e Suécia, a reposição da vitamina D se tornou comum.

- Se fizermos um estudo comparativo, certamente não vamos encontrar uma hipovitaminose tão alta quanto a nossa nesses países, porque já é parte da cultura deles usarem alimentos ricos em vitamina D ou suplementos - diz.

Fonte: Agência Fapesp