Notícia

Envolverde

Nature elogia papel da FAPESP

Publicado em 11 junho 2010

Agência FAPESP - A ciência brasileira é destaque em duas das mais importantes revistas científicas do mundo. Enquanto o programa Biota-FAPESP tem o balanço de seus primeiros anos publicado na Science, a Nature salienta o potencial do setor no país na próxima década.

Em reportagem, a revista inglesa descreve como, à medida que o presidente Lula se prepara para deixar o cargo, pesquisadores esperam que a inovação revigore a economia [do país]. A reportagem da Nature acompanhou a 4ª Conferência Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação, realizada no fim de maio em Brasília.

A conferência representou a primeira vez que aqueles que estão no centro da ciência e aqueles que estão indiretamente envolvidos foram reunidos e isso em um momento em que as coisas estão realmente decolando, disse à revista o diretor científico da FAPESP, Carlos Henrique de Brito Cruz.

A reportagem conta que o resultado da conferência será um documento, a ser enviado aos candidatos à Presidência da República, que descreverá as áreas consideradas mais importantes para a pesquisa científica no país na próxima década.

O texto comenta a sólida fundação no país que permitirá a realização de tais políticas e destaca o papel do Estado de São Paulo e da FAPESP nesse cenário.

Cita também, como exemplo da força da ciência brasileira, o sequenciamento da bactéria Xylella fastidiosa, agente patogênico que causava prejuízos milionários à cultura de cítricos, concluído em 2000. Utilizando softwares de sequenciamento genético com base na internet, o projeto, financiado pelo Programa Genoma-FAPESP, correspondeu também à introdução da bioinformática no Brasil.

A ciência está indo bem no nível estadual, que fornece uma fonte importante de financiamento público, embora os esforços para estimular a ciência não sejam uniformes. Muitos estados procuram se basear em São Paulo, que tem a tradição científica mais forte, afirmou a Nature.

Há um artigo da Constituição de São Paulo de 1947 segundo o qual 1% de toda a receita tributária do Estado seja destinada à pesquisa científica. Possivelmente nenhuma outra agência de fomento à pesquisa no mundo tem esse tipo de segurança e autonomia financeira [do governo federal , disse Brito Cruz à revista.

Leia a reportagem em: http://www.nature.com/news/2010/100609/full/465674a.html

Envolverde/Agência Fapesp