Notícia

O Estado de S. Paulo

Narativa do corpo e da fala

Publicado em 21 agosto 2010

WILSON ALVES-BEZERRA Saber como fala um personagem é haver descoberto um destino, dizia Jorge Luis Borges. A constatação é uma boa chave para ler o romance de estreia do mexicano Alejandro Reyes, A Rainha do Cine Roma, escrito em português. Houve um tempo em que "dar voz" a personagens marginalizados implicava uma espécie de reconstrução fônica da fala que contrastava com a língua bem falada do narrador, em terceira pessoa, o "estilo esquizofrênico", na definição de Antonio Candido. Aqui, a estratégia é outra: aquele que fala, [...]

Conteúdo na íntegra disponível para assinantes do veículo.