Notícia

Moldes Costura

‘Não ouvir a ciência se paga com a vida’

Publicado em 20 junho 2020

Médico com doutorado em biologia molecular e pós-doutorado em neurofisiologia, Luiz Mello assumiu uma vez que diretor científico da Fapesp (Instalação de Suporte à Pesquisa de São Paulo) no final de abril, em meio há pandemia do coronavírus.

Ele relata que já perdeu alguns amigos para a doença, já viu colegas se infectarem e lamenta a desarticulação entre as esferas de governo no Brasil para enfrentar a doença.

Nesta semana, a Fapesp lançou uma rede com milhares de dados de pacientes e exames de Covid-19 para estribar pesquisadores.

Em entrevista ao ‘Gabinete de Crise’, quadro próprio criado por OVALE, Mello fala da valia da ciência para combater a doença e o que pode mudar num mundo pós-Covid.

A ciência é protagonista em várias partes do mundo, mas sofre ataques no Brasil?

Ciência é fundamental e continua sendo. É básica. A consequência de não ouvir a ciência se paga com a vida humana. Nesses últimos dias, a evidência científica indicou a relevância de um corticoide com capacidade de minimizar a seriedade da doença e recapitular o período de internação. Já outras drogas que foram anunciadas [como a cloroquina], a evidência é mínima ou quase nenhuma. É muito ruim que se propaguem notícias equivocadas que, no final das contas, são só um desperdício. É uma pena que no Brasil isso esteja desarticulado entre as esferas de governo.

Cá se politizou a Covid?

É triste. As pessoas que fazem essa politização devem enxergar qualquer proveito nisso, mas a moca tem perna curta. A indicação de que a doença não é bobagem e não é relevante fica superada perto de quase 50 milénio mortos. Em poucos meses, superamos o número que teríamos no ano todo de mortos em acidentes e numa série de outras condições. Infelizmente, vamos ver esse quadro continuar grave antes de melhorar e espero que a sociedade uma vez que um todo consiga enxergar isso e coloque na cabeça que isolamento social, usar máscara e lavar as mãos são relevantes. E que tudo isso contribui não só para que eu continue saudável, mas para que meus avós, filhos e amigos também. Temos que encetar a trabalhar o entendimento coletivo.

Porquê é escoltar pesquisas se desenrolarem em tempo real em meio à pandemia?

Esse evento acontece a cada 100 anos. A magnitude do problema faz com que ele ganhe ainda mais relevância e que a gente consiga, ao olhar para ele, destinar uma atenção ainda maior. Pessoas que sabem trabalhar com máquinas de costura e começaram a fazer máscaras para repartir nas comunidades. Pessoas com fábricas que se organizaram para produzir respiradores. Empresas de insumos químicos que se ajustaram para fazer álcool em gel. Quando olha nessa dimensão, é uma manante de solidariedade de pessoas buscando contribuir para o enfrentamento da epidemia. Na ciência é a mesma coisa. Os cientistas buscam e estão fazendo o redirecionamento das suas atividades para enfrentar a epidemia e buscar soluções.

O que deve mudar?

Talvez a principal questão seja relativa ao trabalho. Os ambientes de trabalho vêm mudando e as pessoas estão trabalhando a partir das suas próprias casas. Isso vai ser ainda mais importante. Desde o século 18, estamos vendo uma substituição progressiva do trabalho humano pelas máquinas. Vamos testemunhar uma aceleração desse processo e o estabelecimento de novas profissões e trabalhos.

Ficou evidente a sujeição de países que produzem insumos para testes e itens essenciais. Isso deve mudar?

Existe uma especialização procedente em várias coisas com produção num número mais restrito de lugares. Se essa é a lógica econômica que a globalização traz, há o contraponto da segurança pátrio. A pandemia tornou isso mais presente. Uma filial uma vez que a Fapesp certamente pode contribuir para entender uma vez que isso acontece e quais as áreas críticas e estratégicas onde deveríamos produzir conhecimento e capacitar as indústrias. O Vale tem esse potencial, não tenho a menor incerteza. Há boas instituições de ensino e estrutura.

https://www.youtube.com/watch?v=pV6AQD8EXDE

Xandu [email protected] | @jornalovale

Médico com doutorado em biologia molecular e pós-doutorado em neurofisiologia, Luiz Mello assumiu uma vez que diretor científico da Fapesp (Instalação de Suporte à Pesquisa de São Paulo) no final de abril, em meio há pandemia do coronavírus.

Ele relata que já perdeu alguns amigos para a doença, já viu colegas se infectarem e lamenta a desarticulação entre as esferas de governo no Brasil para enfrentar a doença.

Nesta semana, a Fapesp lançou uma rede com milhares de dados de pacientes e exames de Covid-19 para estribar pesquisadores.

Em entrevista ao ‘Gabinete de Crise’, quadro próprio criado por OVALE, Mello fala da valia da ciência para combater a doença e o que pode mudar num mundo pós-Covid.

A ciência é protagonista em várias partes do mundo, mas sofre ataques no Brasil?

Ciência é fundamental e continua sendo. É básica. A consequência de não ouvir a ciência se paga com a vida humana. Nesses últimos dias, a evidência científica indicou a relevância de um corticoide com capacidade de minimizar a seriedade da doença e recapitular o período de internação. Já outras drogas que foram anunciadas [como a cloroquina], a evidência é mínima ou quase nenhuma. É muito ruim que se propaguem notícias equivocadas que, no final das contas, são só um desperdício. É uma pena que no Brasil isso esteja desarticulado entre as esferas de governo.

Cá se politizou a Covid?

É triste. As pessoas que fazem essa politização devem enxergar qualquer proveito nisso, mas a moca tem perna curta. A indicação de que a doença não é bobagem e não é relevante fica superada perto de quase 50 milénio mortos. Em poucos meses, superamos o número que teríamos no ano todo de mortos em acidentes e numa série de outras condições. Infelizmente, vamos ver esse quadro continuar grave antes de melhorar e espero que a sociedade uma vez que um todo consiga enxergar isso e coloque na cabeça que isolamento social, usar máscara e lavar as mãos são relevantes. E que tudo isso contribui não só para que eu continue saudável, mas para que meus avós, filhos e amigos também. Temos que encetar a trabalhar o entendimento coletivo.

Porquê é escoltar pesquisas se desenrolarem em tempo real em meio à pandemia?

Esse evento acontece a cada 100 anos. A magnitude do problema faz com que ele ganhe ainda mais relevância e que a gente consiga, ao olhar para ele, destinar uma atenção ainda maior. Pessoas que sabem trabalhar com máquinas de costura e começaram a fazer máscaras para repartir nas comunidades. Pessoas com fábricas que se organizaram para produzir respiradores. Empresas de insumos químicos que se ajustaram para fazer álcool em gel. Quando olha nessa dimensão, é uma manante de solidariedade de pessoas buscando contribuir para o enfrentamento da epidemia. Na ciência é a mesma coisa. Os cientistas buscam e estão fazendo o redirecionamento das suas atividades para enfrentar a epidemia e buscar soluções.

O que deve mudar?

Talvez a principal questão seja relativa ao trabalho. Os ambientes de trabalho vêm mudando e as pessoas estão trabalhando a partir das suas próprias casas. Isso vai ser ainda mais importante. Desde o século 18, estamos vendo uma substituição progressiva do trabalho humano pelas máquinas. Vamos testemunhar uma aceleração desse processo e o estabelecimento de novas profissões e trabalhos.

Ficou evidente a sujeição de países que produzem insumos para testes e itens essenciais. Isso deve mudar?

Existe uma especialização procedente em várias coisas com produção num número mais restrito de lugares. Se essa é a lógica econômica que a globalização traz, há o contraponto da segurança pátrio. A pandemia tornou isso mais presente. Uma filial uma vez que a Fapesp certamente pode contribuir para entender uma vez que isso acontece e quais as áreas críticas e estratégicas onde deveríamos produzir conhecimento e capacitar as indústrias. O Vale tem esse potencial, não tenho a menor incerteza. Há boas instituições de ensino e estrutura.

Essa notícia também repercutiu nos veículos:
Valor Econômico Estadão.com Folha.com O Globo online Folha de S. Paulo UOL BOL IstoÉ Dinheiro online Agência Brasil IstoÉ online Jornal de Piracicaba Rede TV! Folha de Pernambuco online CBN Notícias SBT Interior Extra (Rio de Janeiro, RJ) Valor Econômico online O Imparcial (São Luis, MA) Yahoo! Yahoo! Jornal de Piracicaba Yahoo! Yahoo! Agência Brasil BOL UOL O Progresso (Dourados, MS) online O Vale online Terra MSN (Brasil) Zero Hora online DL News Mix Vale Primeira Hora Portal Lapada Lapada Portal de Notícias Portal do Generoso Sindessmat - Sindicato dos Estabelecimentos de Serviços de Saúde do Estado de Mato Grosso Xeretando Gazeta de Limeira online JMais Manaus Alerta Novo Cantu Notícias MSN (Brasil) O Presente online Paraíba Total Amazônia Brasil Rádio Web Diário Carioca Terra Correio Independente Central das Notícias Muita Informação Rondônia Dinâmica Acústica FM Diário dos Campos (PR) online Hoje em Dia online O Paraná O Bom da Notícia O Liberal (PA) online MidiaMax A Crítica (MS) online Rádio Santa Cruz AM 550 Portal do Holanda Sete Lagoas.com.br Sistema Costa Norte de Comunicação Ata News Money Times Amazonas Notícias Portal Agora no RS Siará News FA Notícias Jornal Floripa O Rolo Notícias Momento MT Mix Vale O Imparcial (São Luís, MA) online Toda Hora Dinheiro Rural online O Documento online InvestMax Portal Banda B Jornal Folha da Terra (Itupeva, SP) online CGN A Semana News O Mato Grosso Jornal Notícia Plus Jornal Floripa Central das Notícias Portal do Holanda Portal do Holanda O Estado (MS) online Central das Notícias Jornal Itaqui-Bacanga Mix Vale Notícias de Campinas Rádio Nacional Portal do Governo do Estado de São Paulo Folha Nobre Central das Notícias Farol da Bahia Central das Notícias Rádio Unesp FM 105,7 Head Topics (Brasil) Setor Saúde Blog do Miro Correio do Brasil online Jornal da USP online Diário de Notícias Folha de Dourados online Folha Vitória online AquiAgora.net Portal 24h Capitolio Consulting Revista Seleções online Agência BR Jornal Tijucas Yahoo! Finanças O Progresso (Imperatriz, MA) online Jornal Primeira Página online Jornal Joseense News Movimento pela Ciência e Tecnologia Pública Plantão News (MT) Portal da Enfermagem Poliarquia Jornal Brasil em Folhas Combate Racismo Ambiental Fato Regional Atual MT Blog da Cris Jornal Página do Estado ISN Portal LabNetwork Folha de Londrina online A Cidade On (São Carlos, SP) Nas Notícias Jornal da Ciência online Medicina S/A Mundo e Meio ON Jornal Diário do Rio Claro O Verídico Alvo Notícias Jornal Brasil em Folhas Planeta Osasco O Progresso (Dourados, MS) online Jornal Digital do Brasil Biblioteca FMUSP Pelo Mundo DF Poliarquia O Vale online Nota Diária UNICAMP - Universidade Estadual de Campinas O Vale online Rádio Geek Central das Notícias Portal GRNews Cofen - Conselho Federal de Enfermagem Saúde Digital News Região Noroeste Jornal Floripa O Vale UFSC - Pró-Reitoria de Pesquisa GAC Group IME USP - Instituto de Matemática e Estatística da Universidade de São Paulo Canal Farma - Tech4Health LIM - Laboratórios de Investigação Médica SBBC - Sociedade Brasileira de Biologia Celular Veja Minas Administradores