Notícia

Afalaire

Não há ingenuidade nas fake news; apenas interesses desonestos

Publicado em 13 junho 2018

O mundo parece estar vivendo um grande impasse com a proliferação daquilo que atualmente chamamos de fake news, ou seja, das notícias e informações falsas (ou parcialmente falsas) que se proliferam pelas redes sociais e por sites blogues.

Uma das vítimas das fake são as ciências.

Segundo Anna Carla Goldberg, do hospital israelita de São Paulo, “a divulgação de notícias falsas na área é ainda mais grave, porque há um descrédito geral no potencial de ajuda e de desenvolvimento que a ciência traz para a população”.

Para o jornalista Marcos Pivetta, editor de ciência da Revista Pesquisa Fapesp, o leitor deve, ao se deparar com uma informação qualquer, buscar checar se a informação é correta ou não e descobrir em que a instituição um pesquisador, por exemplo, atua e se há registro de que realmente a informação proceda.

A sugestão de Pivetta propõe um caminho árduo ao leitor comum, aquele que, por exemplo, não é cientista (seja de que área for) e não tem porque e nem como aprofundar esse tipo de pesquisa.

Anna Carla não abre sequer uma sugestão de como o consumidor de informação deva proceder.

O uso do fake news (das notícias e informações falsas) guarda alguma lógica, algumas delas de mercado, outras de política e ideológica e outras tantas visando desestabilizar grupos sociais, sociedades inteiras e até mesmo de países.

As saídas, difíceis de serem encontradas – é verdade, de combate as notícias falsas, no entanto, não passam pelo acomodamento expresso acima, tanto por Anna quanto por Pivetta.

É necessário, isso sim, fazer muito mais do que nisso, e não apenar educando e esclarecendo as pessoas sobre os perigos que representam as notícias e as informações falsas, como, igualmente, usando de meios coercitivos às praticas, mesmo que isso, em algum momento, possa parecer autoritarismo e cerceamento de liberdades.

Trata-se de um risco que a sociedade e os governos devem e têm de correr.