Notícia

A Folha (São Carlos, SP)

Nanotecnologia está revolucionando a vida do homem moderno

Publicado em 21 agosto 2005

Ele está destacado como um dos maiores cientistas do mundo na atualidade. O ex-professor da Universidade Federal de São Carlos e atual professor da Universidade Estadual Paulista (Unesp), Élson Longo, falou um pouco da revolução que a Nanotecnologia está causando na vida do homem moderno.
Confira os principais trechos:
A Folha - A Nanotecnologia é algo novo para alunos do ensino médio e também para outras pessoas. O que esta nova linha da ciência pode mudar na vida das pessoas? Tamanho é documento professor?
Élson Long - O tamanho sempre foi documento. Os romanos já utilizavam cristais com ouro e obtinham cores diferentes em tamanho nano. Afinal, este metal na escala de dez a dois nanos passa pela cor verde, vermelha, azul e roxa. Mas todos aqueles que conhecem ouro sabem que o metal em escala não nano é amarelo.
As propriedades da matéria mudam sensivelmente quando as temos em nível nano. Poderemos ter computadores menores, sensores menores, televisão com resolução menor, os medicamentos serão mais eficazes.
Como tivemos a revolução do computador, vamos ter uma revolução em nível dos materiais quando falamos de nanotecnologia.
A Folha - Qual o papel das universidades paulistas como UFSCar, Unesp e USP no sentido de capitanear esta revolução? Se as instituições não puxarem esta revolução ela simplesmente não acontece, não é?
Élson Longo - Felizmente o Estado de São Paulo é o maior produtor de artigos científicos do Brasil. São Paulo hoje é o Estado que mais produz em Nanotecnologia. Já estamos sentindo que os frutos da Nanotecnologia estão aparecendo, pois empresas de Silo Carlos, como a Engemasa, usa este conhecimento para suas peças destinadas ao setor petrolífero. Vemos que no Brasil estamos sentindo em nível industrial a revolução que a Nanotecnologia pode causar.
A Folha - As pesquisas são muito importantes para que a Nanotecnologia possa crescer no Brasil, isto é óbvio. Mas qual é o papel dos órgãos fomentadores para essa revolução tecnológica?
Élson Longo - É uma ilusão dizer que o setor industrial financia a pesquisa. A pesquisa é financiada pelos órgãos fomentadores como a Fapesp e o CNPq, além da Finep que tem dado uma grande contribuição para o desenvolvimento científico do Brasil.
A Folha - Hoje a Nanotecnologia pode alcançar qual horizonte?
Élson Longo - A Nanotecnologia pode mudar a sociedade como um todo. Os automóveis vão ter sensores em nível de nano, o combustível será otimizado no veículo pode no local onde ocorre a combustão o material nano permitirá maior eficácia.
Teremos alimentos melhor conservados com a Nanotecnologia, além dos medicamentos como já frisei, por isso posso dizer sem medo de errar que esta revolução já está ocorrendo. Inclusive, utilizamos Nanotecnologia numa enzima para melhorar o nosso pão, mas muitas vezes não sabemos que estamos aplicando Nanotecnologia.
A Folha — A premiação dos alunos da Olimpíada de Física, Química e Matemática, realizada no último final de semana, toca os alunos em seu âmago para que existam novos alunos e futuros cientistas, não?
Élson Longo - Este é um trabalho fundamental para que a ciência possa se propagar. Mas tenho que ressaltar o papel da imprensa na divulgação do conhecimento. A imprensa nacional está acordando e assumindo seu papel.
A divulgação do conhecimento é fundamental para a construção de um país melhor.
É preciso, para conseguirmos divulgar a ciência, ter a participação das escolas públicas, privadas, das universidades e também dos órgãos de comunicação, isso permitirá que um Brasil novo possa nascer.
A Folha - O que você achou do Governo Federal ter sancionado em 2004 a Lei de Inovação?
Élson Longo - Foi sem dúvida um avanço, pois hoje desenvolvemos com a Companhia Siderúrgica Nacional um projeto conjunto. Vejo que essa lei chegou um pouco tarde, mas ainda bem que veio. Afinal precisa existir um incentivo do Estado para setor industrial nacional tornando-o mais competitivo, isso faz com que nossa sociedade se beneficie daquilo que é pesquisado e desenvolvido nas universidades.