Notícia

Boletim do Acadêmico

Nanotec Expo 2006

Publicado em 08 novembro 2006

Fapesp

A dimensão do mercado mundial de produtos nanoestruturados deverá superar, segundo estimativa do setor, US$ 2 trilhões em 2012. Há alguns anos, os mesmos especialistas apostavam que o mercado chegaria a US$ 1 trilhão em 2020. Devido aos investimentos colossais realizados em produtos e processos nanotecnológicos em todo o mundo, não só as perspectivas de tempo diminuíram, como o volume de recursos previstos dobrou.
Na tentativa de quantificar o mercado nacional e promover a transferência de conhecimentos entre universidades e empresas, três mil metros quadrados foram reservados no ITM Expo, em São Paulo, de 6 a 8/11, para a realização da Nanotec Expo 2006. O tema central do evento, composto de feira de produtos e pesquisas e congresso para a discussão de assuntos pertinentes à área, foi A nanotecnologia como fator estratégico de inovação e de competitividade.
Foram divulgados mais de cem projetos de pesquisa em diversas áreas, desenvolvidos por universidades e centros de pesquisa de todo o país, a cerca de quatro mil empresários. "Essa interação entre os setores acadêmico e privado faz com que a Nanotec Expo 2006 seja considerada a maior vitrine de produtos e processos nanotecnológicos da América Latina", disse Ronaldo de Castro Marchese, diretor da RJR Eventos e idealizador do evento.
Segundo Marchese, na primeira edição do evento, realizada em 2005, os participantes se preocuparam em definir os conceitos de nanotecnologia e em discutir o que se poderia esperar dos efeitos provocados pela revolução do mundo pequeno. "Nessa edição, quisemos mostrar que a nanotecnologia já faz parte do cotidiano das empresas globais, ainda que o setor privado brasileiro não tenha incorporado essa tendência como uma estratégia de negócio", disse Marchese.
Junto com a Nanotec Expo 2006 ocorreu o 2º Congresso Internacional de Nanotecnologia, espaço de debate e reflexão entre especialistas nacionais e estrangeiros. "Nanotecnologia como fator de dinamização estratégica das empresas", "Como atrair o investimento privado para pesquisas em nanotecnologia", "Patentes e proteção do conhecimento" e "A nanotecnologia e sua crescente influência no mercado global" foram alguns dos assuntos em discussão.
Um dos destaques do congresso foi o Seminário Internacional sobre Nanometrologia, que reuniu representantes do Inmetro e da ABNT. "Como a escala nano trabalha com materiais invisível a olho nu, o setor da metrologia terá um grande desafio pela frente. As empresas terão de provar que determinado produto possui 5% de nanopartículas de cerâmica, por exemplo. Para isso, teremos que criar instrumentos capazes de identificar esses materiais e ainda discutir a formulação de normas técnicas que regulamentem o setor", disse Marchese.
Na Nanotec Show Room, que também ocorreu simultaneamente à feira, foram apresentados produtos com matérias-primas nanoestruturadas e já disponíveis no mercado, pertencentes tanto a companhias que apenas incorporaram produtos nanotecnológicos a suas estratégias de negócio, como também a empresas que surgiram exclusivamente a partir do advento da nanotecnologia.