Notícia

Jornal da Cidade (Bauru, SP) online

Nanoaventura abre as portas do mundo nanoscópico para crianç

Publicado em 04 abril 2005

A Nanoaventura, projeto de divulgação científica que tem o objetivo de despertar a curiosidade de crianças para o mundo invisível a olho nu, será apresentada a convidados hoje, em Campinas. Montado num espaço público cedido pela prefeitura municipal, o projeto foi executado pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e pelo Laboratório Nacional de Luz Síncrotron (LNLS), do Ministério da Ciência e Tecnologia. A apresentação, marcada para as 17h, terá a presença do Ministro da Ciência e Tecnologia, Eduardo Campos. Quem visitar o espaço participará de uma experiência lúdica multimídia, que abordará os constituintes fundamentais de todos os materiais: os átomos e as moléculas. A aventura pelo mundo da nanociência utilizará mídias como jogos eletrônicos, cinema em três dimensões (3D), teatro, música e animação. Tudo isso numa estrutura de lona sustentada por aço, com nove metros de altura e 19 metros de diâmetro, montada no Parque Taquaral. A tenda poderá ser transportada para outras cidades e há a intenção de tornar o projeto itinerante pelo País. O projeto foi financiado pela linha de crédito de ensino público da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e pela Fundação Vitae, além de contar com recursos da Unicamp, LNLS Instituto Sangari. Foram aplicados R$ 2 milhões.

Como funciona
Os conteúdos que serão vistos e manipulados pelas crianças são resultado de pesquisas no campo da nanociência, que estuda as estruturas que apresentam uma dimensão física da ordem de dezenas de nanômetros (o nanômetro é a bilionésima parte do metro). Já a nanotecnologia permite observar, medir e manipular átomos, criando até mesmo novos materiais a partir deles. A partir da escala do corpo humano, os participantes da Nanoaventura serão levados para "dentro" de outros níveis de medição, num processo que visa propiciar a compreensão dos diversos níveis de escalas adequados para medir coisas na natureza. Na tenda, em grupos de até 48 participantes, o público participará de uma aventura que envolve filmes, animações gráficas em 3D sobre nanociência no Brasil, e se envolverá com quatro jogos criados especialmente para o projeto. Cada um deles, disputado por equipes de até 12 crianças, traz o desafio do aprendizado juntamente com o prazer da competição. Tudo isso, com uma trilha sonora especialmente criada neste projeto, e o acompanhamento de atores e monitores.

Jogos
Um dos jogos possibilitará um passeio virtual por laboratórios do LNLS e da Unicamp, e a realização de uma experiência com o manuseio virtual de átomos. Outro jogo apresentará uma célula danificada, que pode ser curada por nanofármacos aplicados corretamente. Um terceiro jogo propõe a montagem de um nanocircuito eletrônico e o último, a manipulação de átomos sobre uma superfície coberta de impurezas.
Voltada para crianças na faixa dos 9 aos 13 anos, a Nanoaventura foi pensada para despertar questionamentos em vez de dar respostas prontas às crianças. O propósito é estimular o espírito crítico e ampliar a qualidade das dúvidas existentes sobre dimensões nanoscópicas. "Evitamos a solução simplória de usar a ficção científica para aproximar as crianças da nanociência e da nanotecnologia. Quisemos, com os jogos e filmes, mostrar como os cientistas fazem no mundo real", diz o coordenador da equipe responsável pela Nanoaventura, Marcelo Knobel, professor do Instituto de Física da Unicamp.

Divulgação Científica
Depois da apresentação, a Nanoaventura seguirá para o Rio de Janeiro onde acontecerá o 4° Congresso Internacional de Centros e Museus de Ciência, no Riocentro. "A idéia é apresentar o projeto a um público altamente especializado como diretores de museus e pessoas da área educacional. É uma oportunidade única de expor a Nanoaventura à avaliação destes profissionais e fazer mudanças antes de iniciar sua operação propriamente dita", diz Knobel.
O agendamento das visitas de escolas à Nanoaventura será feito pela internet a partir de maio.

LNLS
O LNLS, ao associar-se à Unicamp e outros parceiros neste projeto, está ampliando as atividades no campo da divulgação da ciência, numa área específica na qual tem propiciado a dezenas de pesquisadores condições para o desenvolvimento da nanociência e da nanotecnologia no Brasil. Pesquisadores do LNLS que trabalham ativamente nestes campos colaboraram com a equipe formada por quase 5 pessoas, entre pesquisadores, técnicos, projetistas, programadores, criadores visuais, que desde 2004 estão trabalhando na formatação da Nanoaventura.
"Na qualidade de laboratório nacional, aberto a cientistas de outras instituições, é natural que o LNLS esteja pensando, hoje, em despertar vocações para a ciência, e a Nanoaventura é bastante propícia para isto", diz o Diretor-Associado do LNLS, Pedro Tavares.
Único laboratório deste tipo no Hemisfério Sul, o LNLS é vinculado ao Ministério da Ciência e Tecnologia. Está em operação desde de 1997 e oferece aos cientistas uma fonte de luz síncrotron da qual obtêm-se raio-X e ultravioleta, aplicados em experimentos científicos que buscam descobrir novas propriedades dos materiais, no plano dos átomos e das moléculas. O LNLS também coloca ao alcance da comunidade científica diversos tipos de microscópios eletrônicos e espectrômetros de ressonância magnética nuclear e de massas.