Notícia

Claudia

Na trilha de um vacina

Publicado em 01 outubro 2003

A DIARRÉIA aguda provocada pela bactéria Escherichia coli é a principal causa de mortalidade infantil entre crianças de famílias de baixa renda nos países em desenvolvimento, como o Brasil. Segundo dados do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), ela vitima, no mundo, cerca de 7 mil crianças todos os dias. Mas uma vacina - desenvolvida por MAGDA CARNEIRO SAMPAIO, médica especialista em imunologia aplicada à pediatria, em conjunto com Luiz Rachid Trabulsi, microbiologista do Instituto Butantan, de São Paulo - pode mudar essa realidade. O trabalho foi apresentado pela médica pernambucana em julho deste ano no Congresso da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), em Recife. Já testada em animais, no início do próximo ano a vacina deve entrar na fase de testes em seres humanos para depois ser produzida e distribuída em larga escala pelo Instituto Butantan. "Quando chega a esse ponto, é porque já está provada sua eficiência", afirma Isaías Raw, pesquisador e diretor do instituto. A vacina, na verdade, é resultado de uma extensa pesquisa, à qual Magda se dedica há mais de duas décadas, sobre a imunologia do leite materno - rico em anticorpos, inclusive nos que combatem a E. coli. "Foi estudando esses componentes e os mecanismos pelos quais o aleitamento materno protege a criança contra vários tipos de infecção que pudemos chegar à vacina", conta a pediatra. "Precisamos acabar com a diarréia, que está matando nossas crianças." Magda, 53 anos, divorciada, mãe de duas filhas, é professora titular do departamento de imunologia do Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo, tem mais de 160 trabalhos publicados em revistas científicas, muitas delas estrangeiras, orientou 18 alunos de doutorado e 13 de mestrado e participou como conferencista de mais de dez congressos internacionais. Atualmente está mergulhada em outro grande desafio: a coordenação de um projeto, financiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), sobre imunodeficiências primárias. Esse estudo abrange crianças que nascem com deficiência congênita do sistema imunológico, estando por isso sujeitas a diversas infecções, como otite ou pneumonia.