Notícia

Repórter PB

Museu de SP ganha sala de realidade virtual sobre dinossauros

Publicado em 18 fevereiro 2017

O Museu Catavento, em São Paulo, reabriu nesta sexta-feira (17) com a inauguração de uma nova sala, a Dinos do Brasil, e o restauro das fachadas históricas. A obra foi concluída no ano que se completa o centenário da primeira exposição realizada no Palácio das Indústrias, prédio tombado como patrimônio histórico estadual e municipal.

Já a sala Dinos do Brasil, elaborada com tecnologia de realidade virtual em altíssima qualidade, vai proporcionar aos visitantes uma experiência imersiva e interativa pelo território brasileiro na era mesozoica – entre 250 milhões e 65 milhões de anos atrás – com auxílio de óculos de realidade virtual.

“Um prédio maravilhoso, inaugurado em 1924 que depois de Centro de Exposições da Indústria foi Assembléia Legislativa, Secretaria de Segurança Pública, Prefeitura de São Paulo e hoje o Museu Catavento, o queridinho da cidade, o mais visitado. Um trabalho educativo, cultural, de lazer, que é muito bonito”, afirmou o governador durante o evento de inauguração.

Sala Dinos do Brasil

A sala possui 100m² no total e ficará na seção Vida do Museu, oferecendo sete sessões diárias de 40 minutos de duração com capacidade para 25 pessoas. A bordo de uma cápsula do tempo, a atividade levará o público para uma viagem guiada pelas paisagens primitivas do Brasil, de norte a sul, nos períodos Triássico e Cretáceo.

Uberabatitan, Abelissauro, Unaissauro e Saturnália são algumas das espécies de dinossauros brasileiros que irão interagir com os visitantes, junto a outros animais pré-históricos, em meio a um passeio por florestas, desertos e áreas vulcânicas que, à época, faziam parte do relevo do território nacional. A experiência multissensorial, que estimula visão, audição e senso de direção, é destinada não somente às crianças, frequentadoras assíduas do museu, mas também os adultos que apreciam história, tecnologia e games.

Desenvolvida pela startup brasileira VR Monkey com patrocínio da Intel e da Ambev, o projeto contou com a consultoria do Prof. Dr. Luiz Anelli, do Instituto de Geociências da USP, com o apoio da FAPESP por meio do PIPE. É o primeiro projeto de realidade virtual financiado pela Lei Rouanet.

Restauro no centenário

Iniciado em junho de 2016, o restauro da fachada do Catavento teve investimento de R$ 1,2 milhão disponibilizado pelo Fundo de Interesses Difusos (FID), gerenciado pela Secretaria da Justiça e Defesa da Cidadania do Estado de São Paulo. Foram recuperados cerca de 70 elementos arquitetônicos, entre esculturas, caixilhos de portas e janelas de metal e madeira, relógio e sino da torre, além das coberturas e dos revestimentos das torres.

Em 2017, o Palácio das Indústrias completa 100 anos desde que abriu ao público, com sua primeira exposição de produtos manufaturados em São Paulo. A história do edifício, no entanto, guarda um detalhe curioso: ele continuou em obras por vários anos e só foi oficialmente dado como concluído em 1924.

Com o tempo, o prédio assumiu vários outros usos: em 1947, foi cedido à Assembleia Constituinte do Estado e, mais tarde, à Assembleia Legislativa. Na década de 1970, foi sede da Secretaria de Segurança Pública. Restaurado com projeto da arquiteta Lina Bo Bardi, foi sede da Prefeitura Municipal de São Paulo nos anos 1990. Desde 2009, o edifício recuperou sua função original, sediando uma instituição dedicada à difusão da ciência, tecnologia e cultura: o Museu Catavento. As informações são do portal do Governo do Estado de São Paulo.

Fonte: Noticias ao Minuto