Notícia

Folha da Região (Araçatuba, SP) online

Movimento promove transparência corporativa

Publicado em 20 março 2017

Por Wilson Marini

BNDES, Itaú Unibanco, Duratex, Natura, Votorantim e AES Brasil, entre outros grupos, passaram a adotar voluntariamente, há quatro anos ou menos, um novo modelo de comunicação anual dos resultados, chamado Relatório Integrado. Foram inspirados por um movimento internacional que propõe a sua adoção pelas empresas em geral. O Relatório Integrado contém a demonstração não apenas das finanças, mas também as informações consideradas intangíveis, como capital intelectual, governança e sustentabilidade socioambiental. É um passo à frente em relação aos conhecidos Relatórios de Sustentabilidade, que por sua vez representaram uma inovação na comunicação empresarial, mas são editados como peças à parte, desconexas dos números financeiros. A proposta do RI é integrar os dados financeiros e não financeiros, de modo a oferecer uma visão holística da atuação, projetos e metas da empresa, sob o crivo dos aspectos principais que a envolvem.

Valor de mercado

O objetivo do Relatório Integrado é aumentar a transparência da empresa diante dos investidores, fornecedores, clientes, funcionários, comunidades e a sociedade. O RI é liderado pela organização IIRC, sediada em Londres. Nesta semana, o principal executivo da entidade, Richard Howitt, se reuniu em São Paulo e no Rio com contabilistas, empresários, órgãos de regulação e dirigentes de entidades, para falar da importância de as empresas, não apenas as grandes, se prepararem para essa nova forma de comunicar seus resultados e os impactos positivos e negativos que causam. A adoção do novo modelo reduz o custo de capital e aumenta o valor de mercado das companhias. Isso porque o documento, uma vez elaborado no formato proposto pela IIRC, amplia a visão do mercado sobre os riscos e oportunidades de uma empresa e o segmento onde atua. Na África do Sul, é ferramenta obrigatória para empresas listadas em bolsa.

Produção científica

A Academia de Ciências do Estado de São Paulo (Aciesp) acaba de lançar um levantamento sobre as competências científicas em cada uma das 15 regiões administrativas do Estado. Intitulado Mapa da Ciência de São Paulo, o estudo reúne um conjunto de indicadores que mostra desde a concentração de pesquisadores em cada região e área do conhecimento até o tamanho e o impacto de sua produção científica. O tema é abordado na edição de março da revista Pesquisa, da Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo).

Concentração

O mapeamento aponta grande concentração de pesquisadores no eixo entre a capital e Campinas, mas também evidencia regiões com expertises específicas, como a de Araraquara, que reúne os campi das universidades de São Paulo (USP), Estadual Paulista (Unesp) e Federal de São Carlos (UFSCar), e a do Vale do Paraíba, com seu polo aeroespacial em torno de São José dos Campos. O mapa também mostra os vazios geográficos na área de pesquisa, como no litoral sul paulista e região de Itapetininga.

Lei da Inovação

Uma lei de inovação deve ser proposta ainda neste ano pelo governo estadual, para adequar o Estado ao marco legal da inovação e da pesquisa científica e tecnológica definido pela Lei federal 13.243/2016. Esse foi o tema de encontro promovido na capital quinta-feira (16/3) reunindo pesquisadores de universidades e institutos de pesquisa.

Estradas

No dia 25 de abril serão entregues as propostas do leilão do lote da Rodovia dos Calçados, entre Itaporanga e Franca. O valor de outorga é de R$ 450,9 milhões e R$ 5 bilhões em investimentos em 30 anos.

Proteção

O deputado Junior Aprillanti (PSB) está preocupado com os constantes deslizamentos e a falta de dispositivos de segurança para os motoristas nas rodovias Geraldo Dias e Tancredo Neves, que servem Jundiaí, Várzea Paulista e região.

Investimentos

A americana John Deere, uma das maiores fabricantes de máquinas agrícolas do mundo, inaugurou em Campinas um Centro de Agricultura de Precisão e Inovação. Segundo a empresa, em até 4 anos o Brasil vai superar os EUA no uso da agricultura de precisão.

Gorjetas

Foi publicada pela União a Lei 13.419/2017, que considera gorjeta não só a importância espontaneamente dada pelo cliente, em bares e restaurantes, mas também o valor cobrado pela empresa, como serviço ou adicional sobre o valor da conta, o habitual 10%. Segundo a lei, o valor arrecadado não poderá ficar com os empregadores e deverá ser destinado aos trabalhadores.

Planos de saúde

Começou a trabalhar na Assembleia Legislativa a CPI sobre planos de saúde, presidida por Wellington Moura (PRB). Vai apurar eventuais irregularidades cometidas pelas operadoras de planos de saúde no Estado.

Comando parlamentar

A nova Mesa Diretora da Assembleia Legislativa de São Paulo é composta por Cauê Macris (PSDB), presidente; Luiz Fernando T. Ferreira (PT), 1º secretário e Estevam Galvão (DEM), 2º secretário, para mandato de dois anos.

Oposição

Márcia Lia (PT) foi eleita líder da minoria dos deputados na Assembleia, e Alencar Santana é o novo líder do PT.