Notícia

Prefeitura Municipal de São José dos Campos

Movimento pela Inovação é lançado em São José dos Campos

Publicado em 18 agosto 2015

Mais de 60 pessoas, a maioria empresários e representantes de instituições de pesquisa e ensino, participaram da abertura do Movimento pela Inovação, uma iniciativa da Desenvolve SP (Agência de Desenvolvimento Paulista), do Parque Tecnológico de São José dos Campos e do CECOMPI (Centro para Competitividade e Inovação do Cone Leste Paulista), alinhada com o plano de governo do prefeito e vice-prefeito. O evento ocorreu na segunda-feira (17), no Parque Tecnológico.

“Por meio da Desenvolve SP, vamos colocar à disposição das empresas uma série de ferramentas que lhes permitirão aumentar seu potencial de inovação, sua competitividade e o alcance de mercado de seus produtos e serviços, gerando mais emprego e renda para o município”, disse o assessor de planejamento estratégico e informação da Secretaria de Desenvolvimento Econômico e da Ciência e Tecnologia.

O Movimento pela Inovação visa aproximar empresas, centros de pesquisa e agências financiadoras para transformar ideias e projetos em produtos e negócios de sucesso. “As entidades de apoio dizem que têm recursos, mas não encontram bons projetos para financiar. Já os empreendedores afirmam que têm projetos, mas não conseguem concretizá-los por falta de recursos. Nosso objetivo é encurtar essa distância entre as duas partes”, sintetizou Eduardo Saggiorato, superintendente de Negócios e Operações na Desenvolve SP.

“Deslocamos equipes para informar, atender e orientar os empresários locais, para que eles possam atender aos requisitos das diversas linhas de acesso a financiamento que são oferecidas pela Desenvolve SP e seus parceiros, como a FAPESP, a FINEP e o BNDES. Vamos ficar até esta sexta-feira (21) no Parque Tecnológico de São José”, destacou o representante da Desenvolve SP, antes de apresentar as opções de financiamento disponibilizadas pela entidade.

Ele citou, por exemplo, o INOVACRED, uma linha de crédito para financiar investimentos em novos produtos, processos e serviços; o São Paulo Inova, um programa estadual de apoio às empresas de base tecnológica; e o Fundo de Inovação Paulista, que serve para fomentar empresas com perfil inovador e já tem um patrimônio de R$ 110 milhões aportados pela Desenvolve SP, a FINEP (Financiadora de Estudos e Projetos) e a FAPESP (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo).

O professor Douglas Zampieri, da FAPESP, destacou os programas PIPE e PITE, da Fundação, que constituem fontes de recursos não reembolsáveis para a demonstração da viabilidade técnica e de negócio de inovações tecnológicas, favorecendo a criação de novos negócios intensivos em tecnologia. Ele enfatizou ainda que, com as linhas de crédito do Movimento pela Inovação, há alternativas de financiamento para apoiar empreendedores em praticamente todas as fases do processo de inovação tecnológica, desde o desenvolvimento de novos produtos e serviços até a sua introdução no mercado.

Também foi destacado o Programa de Inovação e Qualidade Aeroespacial, uma iniciativa conjunta da Desenvolve SP, da FAPESP e do CECOMPI que visa aumentar a competitividade das empresas inseridas na cadeia produtiva aeroespacial por meio da disponibilização de linhas de fomento para a certificação de produtos e processos de controle e gestão. “A ideia é colocar o setor aeroespacial no mapa dos órgãos de fomento”, resumiu Carlos Rondina Mateus, supervisor do Cluster Aeroespacial Brasileiro.

O Programa de Inovação e Qualidade Aeroespacial permitirá que empresas do cluster gerido pelo CECOMPI possam se qualificar para integrar o seleto grupo de fornecedores de empresas globais como, por exemplo, o Grupo Airbus.

A FATEC-SJC também participa do Movimento pela Inovação, assim como o Instituto Euvaldo Lodi (IEL).

Para Marco Antônio Raupp, diretor geral do Parque Tecnológico, a parceria entre a Desenvolve SP e o Parque tem que ser permanente. “É fundamental levar conhecimento e inovação à atividade produtiva. Juntos, o Parque e o CECOMPI reúnem mais de 200 empresas de base tecnológica, voltadas para a inovação. Assim, temos bastante a contribuir.”