Notícia

TV Cariri

Morre pai do Sirius, acelerador de partículas brasileiro

Publicado em 07 janeiro 2020

Engenheiro Antonio Ricardo Droher Rodrigues, considerado o pai do acelerador de partículas Sirius, lutava contra um câncer de pulmão

O campo da Ciência perdeu um de seus mais ilustres membros na última sexta-feira (3). Antonio Ricardo Droher Rodrigues faleceu aos 68 anos. Considerado o "pai do elétron", Antonio foi responsável pelo primeiro acelerador de dois síncrotons do hemisfério Sul, conhecido como UVX, e por seu sucessor, chamado Sirius - que se encontra em fase final de comissionamento.

Veja também: Sírius, o acelerador de partículas de 4ª geração de Campinas MCTIC pede liberação de R$ 180 milhões do orçamento do Sirius

Ambos os projetos foram realizados dentro do Laboratório Nacional de Luz Síncroton (LNLS), localizado no Centro de Pesquisa em energia e Materiais (CNPEM), em Campinas.

O engenheiro civil, formado pela Universidade Federal do Paraná (UFPR) e doutor em Física formado pelo King?s College, em Londres, lutava contra um câncer de pulmão. Em novembro de 2019, Ricardo não presenciou a primeira volta de elétrons de Sirius, e também não presenciou quando cientistas conseguiram armazenar elétrons no interior do acelerador em dezembro.

Um tempo depois, a equipe conseguiu gerar uma corrente que foi suficiente para fazer com que a luz síncroton chegasse em uma das futuras estações experimentais do Sirius. Antonio José Roque da Silva, diretor-geral do CNPEM, comentou o momento: "Fizemos por ele. E ele ficou muito feliz".

O diretor do conselho do CNPEM, Rogério Cezar Cerqueira, lembrou da contribuição do engenheiro para a ciência: "Ricardo foi um engenheiro genial, responsável pela parte principal no projeto do primeiro Síncrotron UVX. Foi também quem projetou o Sirius e dirigiu as operações que levaram ao seu sucesso como grande obra instrumental para a ciência, inteiramente projetado e, em grande parte [80%], construído no Brasil".

Recentemente, o acelerador de partículas Sirius produziu as primeiras imagens de microtomografia de raio-X. Isso abriu diversas possibilidades para que os ajustes necessários da luz de síncroton fossem realizados. Com este avanço, diversos experimentos científicos de alto nível serão possíveis.

Via: Agência FAPESP