Notícia

Gazeta Mercantil

MONITORAMENTO - Sensor integrado com GPS facilita navegação

Publicado em 11 outubro 2002

Por Virgínia Silveira - de São José dos Campos
A empresa Navcon (Navegação e Controle Indústria e Comércio Ltda.) desenvolveu, em parceria com um grupo de pesquisadores do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), um sistema de atitude e navegação (Sman) que utiliza tecnologia inédita no mercado de sistemas de posicionamento global (GPS). A característica modular do novo sistema brasileiro permite que ele seja usado para diferentes aplicações. Segundo o coordenador do projeto e pesquisador do Inpe, Otávio Durão, o Sman pode ser usado tanto para a determinação da atitude (posicionamento angular) de um satélite quanto para a de uma aeronave e também para fazer o monitoramento de veículos terrestres e determinar o posicionamento dinâmico de plataformas marítimas de petróleo. "O sistema integra a tecnologia GPS com sistemas inerciais, tais como acelerômetros e giroscópios, o que aumenta a precisão e a freqüência de leitura dos dados", explicou Durão. O projeto Sman foi desenvolvido com recursos da Fapesp (fundação de Amparo á Pesquisa do Estado de São Paulo e incluído no Programa de Inovação Tecnológica em Pequenas Empresas (PIPE) da Fundação. O desenvolvimento do protótipo do sensor Sman, de acordo com Durão, teve um custo de aproximadamente R$ 350 mil. Para a fase de desenvolvimento do produto propriamente dito os pesquisadores vão tentar angariar recursos junto à Finep (Financiadora de Estudos e Projetos). A idéia dos pesquisadores do Inpe e da empresa Navcom é tentar enquadrar o projeto no âmbito da nova Lei de Inovação, aprovada recentemente pelo govemo federal. "O projeto tem uma característica de inovação tecnológica muito forte e por isso poderia ser beneficiado pela nova lei", disse. O Sman, segundo Durão, também é um dos candidatos a integrar o "escritório de negócios" que está sendo montado pelo Inpe. "O objetivo do 'escritório de negócios' é estimular o estabelecimento de parcerias com as indústrias, explorando o potencial tecnológico de projetos desenvolvidos por pesquisadores do Inpe", disse o coordenados do projeto. A interação maior das atividades do Instituto com as indústrias resultaria ainda em aumento de receita para o Inpe, As indústrias, por sua vez, também poderiam utilizar as facilidades do Instituto, com seus laboratórios, para o desenvolvimento de tecnologia de ponta.