Notícia

EPTV

Monitoramento ambiental feito por abelhas

Publicado em 06 julho 2007

Análise do mel pode apontar nível de pesticidas agrícolas


Fonte: Agência Fapesp


Uma nova metodologia de análise de amostras de mel pode ser utilizada no controle de qualidade do produto para consumo humano, transformando-o também em um bioindicador da contaminação do meio ambiente por pesticidas agrícolas em uma área de até 7 quilômetros quadrados.

A criação e a validação da técnica são os principais resultados de uma pesquisa que durou seis anos e foi realizada em uma área de preservação ambiental cercada por campos agrícolas na cidade de Bauru, interior paulista, por cientistas da Universidade Estadual Paulista (Unesp) e da Universidade de São Paulo (USP).

A região, conhecida como Reserva Campo Novo Vargem Limpa, tem cerca de 3 milhões de metros quadrados e 35 colméias de abelhas domésticas (Apis mellifera). O trabalho, com resultados publicados na Revista Química Nova, apresenta um método capaz de detectar e quantificar pesticidas presentes no mel.

Sandra Regina Rissato, uma das coordenadoras do estudo e professora do Departamento de Química da Unesp, explica que as abelhas realizam a tarefa vital de polinização das colheitas agrícolas nas áreas que cercam seu hábitat, recolhendo néctar, água e pólen das flores.

"Enquanto isso, insetos interceptam microrganismos e produtos químicos que ficam retidos em seus pêlos superficiais e são inalados e armazenados no aparelho respiratório, fazendo com que o mel seja produzido com algum nível, ainda que pequeno, de contaminação", disse a pesquisadora à Agência Fapesp.

Durante o período de observação das colméias, de 1999 a 2004, os autores do estudo encontraram 48 tipos diferentes de pesticidas nas amostras de mel, de quatro classes distintas: organoalogenados, organofosforados, organonitrogenados e piretróides. Os pesticidas no mel são extraídos com o auxílio de solventes orgânicos após a diluição do mel em água.

"Por meio de cromatografia gasosa acoplada à espectrometria de massas, foi possível quantificar a concentração dos pesticidas nas amostras. Todos os 48 tipos de pesticidas identificados têm algum grau de toxicidade e podem ser prejudiciais à saúde", afirmou Sandra.

Segundo ela, altas concentrações de malation — pesticida da classe dos organofosforados usado no combate à dengue — foram detectadas em algumas amostras de mel, o que pode estar relacionado à intensa aplicação da substância para o controle do mosquito transmissor da doença, o Aedes aegypti, durante o período estudado.

"Apesar de a metodologia não apresentar o nível de contaminação do ar, o mel se mostrou um precioso bioindicador da existência desse tipo de poluente no meio ambiente", disse Sandra. O método pode ser aplicado em qualquer região que tenha pesticidas agrícolas como fontes de poluição.