Notícia

Agência C&T (MCTI)

Modelo matemático estima bioconcentração de herbicidas

Publicado em 20 maio 2008

Os pesquisadores da Embrapa Meio Ambiente (Jaguariúna, SP), unidade da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Lourival Costa Paraíba e Antônio Luiz Cerdeira desenvolveram um modelo matemático que estima o fator de bioconcentração de herbicidas em plantas cultivadas.

A bioconcentração de uma substância em um organismo é um processo que descreve o seu acúmulo em relação à concentração da substância no meio, explica Paraíba. Então, "o fator de bioconcentração (BCF) é um indicador numérico importante para a análise do risco da contaminação ambiental e alimentar".

O BCF pode ser usado para estimar a ingestão diária de herbicidas por meio do consumo diário de produtos de plantas e permite estabelecer limites seguros de herbicidas no meio ambiente, auxiliando o estudo do seu destino ambiental.

Conforme o pesquisador, o objetivo do trabalho foi modelar a bioconcentração de herbicidas em plantas de cana-de-açúcar, pois o Brasil lidera a lista dos 80 países produtores de cana, respondendo por 25% da produção mundial. A sua importância econômica para São Paulo deve crescer muito, em função de seu potencial para a produção de energia renovável e de produtos de cana-de-açúcar.

Outra preocupação dos pesquisadores está na possibilidade de que herbicidas que venham a ser absorvidos pela cana-de-açúcar provoquem alterações significativas no processo de transformação por leveduras do mosto da cultura em álcool, como já foi relatado na literatura sobre as alterações provocadas por fungicidas no processo de transformação do mosto de uva em vinho.

"Esses modelos podem prever concentrações de herbicidas e sugerir quais devem ser monitorados, porque os com maiores valores de BCF são aqueles mais prováveis de se acumularem em plantas cultivadas", diz Paraíba.

Modelagem

Na modelagem foi suposto que a degradação do herbicida no solo, o metabolismo e a sua diluição na planta são descritos por equações cinéticas de primeira ordem e que a absorção do herbicida na solução do solo pela planta ocorre através da transpiração da planta. Foi suposto também que o herbicida está diluído na solução do solo em concentração disponível para ser absorvido e transportado pelo fluxo de transpiração para todos os compartimentos da planta.

"Utilizamos o modelo para estimar o fator de bioconcentração dos herbicidas 2,4-D, acetochlor, ametryn, atrazina, clomazone, diuron, hexazinone, imazapyr, metribuzin, pendimethalin, picloram, simazina, sulfentrazone, tebuthiuron e trifluralin em cana-de-açúcar, pois estes herbicidas são tradicionalmente utilizados para essa cultura", esclarece Paraíba.

A modelagem sugeriu que os herbicidas tebuthiuron, hexazinone, sulfentrazone, atrazina e metribuzin sejam prioritariamente monitorados em cana-de-açúcar, pois indicou que esses produtos têm os maiores valores de BCF.

Para tanto, a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo - Fapesp vem financiando um projeto coordenado por Antônio Luiz Cerdeira que tem por objetivo validar esse modelo. O projeto conta com a participação das pesquisadoras Sônia Cláudia Nascimento de Queiroz e Vera Lúcia Ferracini, ambas do Laboratório de Resíduos e Contaminantes da Embrapa Meio Ambiente e dos pesquisadores Daniel Franco e Marcos Matallo, do Laboratório da Ciência das Plantas Daninhas do Centro Experimental Central do Instituto Biológico em Campinas.

O trabalho foi apresentado no 26º. Congresso Brasileiro da Ciência das Plantas Daninhas e 18º Congreso de la Asociación Latinoamericano de Malezas, em maio de 2008, na Universidade Federal de Ouro Preto, MG.

Cristina Tordin ( MTb 28.499)

Embrapa Meio Ambiente

Contatos:19.3311.2608