Notícia

Jornal Brasil

Modelo de monitoramento vai avaliar impactos em regiões costeiras

Publicado em 20 maio 2014

O Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (Cptec) do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe/MCTI) lançou, em sua página de previsão de ondas, um modelo conceitual de monitoramento costeiro, de alta resolução (com grade de até 20 metros), que permite avaliar diferentes impactos a partir dos movimentos de marés e ressacas no litoral brasileiro.

Esse modelo está associado a um projeto mais amplo, o Sistema de Previsão e Monitoramento Costeiro (Simcos), um projeto temático financiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), em operação há quase um ano, cujas previsões podem ser acompanhadas na página do Cptec.

O Simcos é composto de dois modelos diferentes e independentes, mas concebidos para operar em conjunto, de forma complementar, com o objetivo de emitir alertas de ressacas e, adicionalmente, monitorar e avaliar os possíveis impactos na costa brasileira.

O modelo de alta resolução, que está sendo lançado neste momento, utilizou como área teste a Baía de Vitória, Espírito Santo, que abrange a Ilha de Vitória, região metropolitana e os portos de Tubarão e Vitória. A base do modelo é o de correntes marítimas WWatch, do Ncep/Noaa, com dados de contorno (velocidade e direção dos ventos de superfície) do modelo francês de circulação atmosférica global Mercator, além do modelo holandês Mohid, que simula correntes marítimas próximas à costa e os impactos de marés, ressacas e vasão de rios.

O Simcos conta com 61 pontos de previsão e monitoramento ao longo da costa brasileira. Em cada um destes locais, o sistema conta com uma linha de 100 metros de profundidade, paralela e próxima a costa, para a qual há uma série histórica de 30 anos, com dados de corrente marítima, temperatura da superfície do mar, altura e direção das ondas, entre outros dados.

Cptec

O Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos do Inpe é o passaporte do Brasil para o primeiro mundo das previsões meteorológicas. Com o recém adquirido Cray XT6 será possível ao Centro melhorar a resolução espacial dos modelos de previsão de tempo, de clima sazonal, ambiental (qualidade do ar) e de projeções de cenários de mudanças climáticas.

O Cptec já vem aperfeiçoando seus modelos para que o novo supercomputador também possa gerar previsões com mais dias de antecedência, além de prever chuvas e eventos extremos com maior confiabilidade. Anteriormente, eram utilizados os modelos vetoriais SX-6 e SX-4 fabricados pela NEC Corporation do Japão, com capacidade de processar até 768 bilhões e 16 bilhões de operações aritméticas em ponto flutuante por segundo respectivamente.

O cluster UNA com 1100 processadores fabricado pela "SUN Microsystem" tem capacidade de processar até 5.7 trilhões de operações aritméticas em ponto flutuante por segundo. Tudo isso, significa possibilidade de utilizar modelos numéricos para simulação de tempo e clima, integrando informações atmosféricas e oceânicas. O resultado disso são previsões de tempo confiáveis, para todo o país.

Fonte: Inpe/MCTI