Notícia

JC e-mail

Modelo brasileiro de produção de etanol é tema de livro

Publicado em 20 maio 2014

A produção de etanol de cana de açúcar no Brasil sempre esteve atrelada à intervenção estatal. Particularmente, a regulamentação do setor, a partir de 1975, com o advento do Proálcool, resultou em uma forte regulamentação dos elos deste cadeia produtiva. "Até o final da década de 1990, o Estado ditava as regras. Havia cota de produção, fixação de preço, regras de venda de cana de açúcar, a regulamentação era intensa", conta Marcia Azanha Ferraz Dias de Moraes, professora do Departamento de Economia, Administração e Sociologia (LES), da Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz" (USP/ESALQ).

 

No entanto, a partir do início do século 21, o Estado sai de cena e a movimentação do setor passa a ser regida pelas regras de livre mercado. "Os preços passam a ser livres, muda a dinâmica de comercialização de cana, do açúcar e do álcool, nasceu o modelo Consecana", complementa a professora Marcia, que acaba de lançar, em parceria com David Zilberman, pesquisador da University of California, Berkeley, EUA, um livro que analise a experiência brasileira na produção de etanol de cana de açúcar.

 

"Production of ethanol from sugarcane in Brazil, From State Intervention to a Free Market", publicado pela Springer e traduzido para a língua inglesa com apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), é resultado das conversas entre Marcia e David sobre a origem do Proálcool, o papel do governo militar e a forte intervenção no setor existente na época. "Decidimos atualizar a análise sobre a experiência brasileira na produção de etanol de cana de açúcar. Particularmente, a análise está focada na desregulação do processo, que ocorreu a partir do final da década de 1990, os desafios enfrentados pelas partes interessadas em um ambiente de livre mercado e as novas regras e mudanças desde 2000", aponta a docente da ESALQ.

 

O livro também traz uma avaliação abrangente do interesse internacional em alternativas ao petróleo, nas novas agendas ambientais e sociais e as crises financeiras e, finalmente, como os autores enxergam o futuro dos biocombustíveis no Brasil. "Vários países demonstram interesse em conhecer o modelo de produção de biocombustível e como o Brasil é pioneiro, a demanda da comunidade internacional para conhecer plantas e rotas de produção, pesquisas, vantagens econômicas, sociais e ambientais e a questão legislativa envolvendo esse mercado tem aumentado consideravelmente. Nosso programa de biocombustível está às vésperas de completar quarenta anos, e o etanol de cana-de-açúcar tem vantagens econômicas e ambientais em relação aos biocombustíveis produzidos a partir de outras matérias-primas, como por exemplo o etanol de milho americano , o que aumenta ainda mais o interesse internacional pela experiência brasileira. Esperamos que o livro, publicado no idioma em inglês, possa contribuir para os interessados no tema", lembra Marcia.

 

Mais detalhes sobre a obra podem ser encontrados em http://www.springer.com/economics/environmental/book/978-3-319-03139-2

 

(Ascom ESALQ)