Notícia

CNPq - Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico

Ministro Sergio Rezende encerra I Encontro de Avaliação dos Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia

Publicado em 25 novembro 2010

Terminou, na tarde de ontem (24), a 1ª Reunião de Acompanhamento e Avaliação dos 122 Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia (INCT). Durante os dias 23 e 24 de novembro, mais de 500 pessoas, entre pesquisadores, avaliadores e consultores, estiveram reunidas em Brasília para avaliar o desempenho obtido pelos Institutos desde sua criação, no final de 2008.

O programa que já recebeu investimento de mais de R$ 600 milhões possui metas audaciosas e abrangentes. Mobilizar e agregar de forma articulada os melhores grupos de pesquisa, fomentar em áreas estratégicas para o desenvolvimento sustentável do país e estimular o incremento da pesquisa científica e tecnológica de ponta, associada a aplicações para promover a inovação e o espírito empreendedor, são alguns exemplos.

Encerramento

Após visitar a exposição, onde os estandes de cada INCT apresentavam os principais resultados das pesquisas desenvolvidas, o ministro da Ciência e Tecnologia (MCT), Sergio Machado Rezende, acompanhado pelo presidente do CNPq, Carlos Alberto Aragão, compuseram a mesa de encerramento do encontro. O presidente do CNPq lembrou a importância e abrangência do evento, além de agradecer a intensa participação e engajamento dos pesquisadores: "Essa reunião foi um grande sucesso. Por isso devemos continuar com esse programa que é um passo muito importante para a Ciência e a Tecnologia do Brasil".

Aragão disse que pela primeira vez o Brasil lançou um programa desta dimensão na área de C&T. "Os Institutos têm chamado atenção no cenário internacional, pois englobam projetos altamente articulados com as demandas da sociedade, e extremamente compromissados em desenvolver estratégias para o desenvolvimento sustentável do País".

O presidente também anunciou a criação de dois novos institutos na área de Ciências do Mar e outros desafios a serem superados. "Já em 2011, dois novos Institutos serão criados na área de Ciência do Mar, mas temos ainda o desafio de estimular o dinamismo econômico e científico de maneira mais equilibrada regionalmente, e aumentar a interação da academia com o setor empresarial para incorporarmos de vez a Ciência e Tecnologia na produção do desenvolvimento nacional", afirmou.

Já o ministro Sergio Rezende ressaltou a relevância dos INCT no cenário nacional. "Esse programa mostra o amadurecimento dos pesquisadores. Temos em muitas áreas contribuições de peso para a Ciência e a Tecnologia brasileiras. A fase de lutar pelo dia a dia já passou, temos que pensar de forma mais ambiciosa, como por exemplo, a construção de instalações coletivas. Isso vai fazer com que finalmente a Ciência e a Tecnologia contribuam para o desenvolvimento do nosso país".

Sergio Rezende falou também do processo de transição que se inicia nos próximos dias. Ele garantiu que uma série de recomendações será repassada ao próximo governo para que todos os compromissos já firmados sejam mantidos. "No contrato firmado entre o Ministério da Ciência e Tecnologia e os institutos reza que o período de vigência é de três anos prorrogáveis por mais dois. Esse é um dos itens que constará nesse documento. Esperamos ainda que sejam lançados novos editais para a criação de mais INCTs", concluiu

Entre outras autoridades, o encerramento contou com as presenças dos diretores de Engenharias, Ciências Exatas e Humanas e Sociais; e Ciências Agrárias, Biológicas e da Saúde do CNPq, Glaucius Oliva e José Oswaldo Siqueira, respectivamente.

Sergio Rezende visita os estandes dos INCTs

A criação dos institutos conta com parceria da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes/MEC) e as Fundações de Amparo à Pesquisa do Amazonas (Fapeam), do Pará (Fapespa), de São Paulo (Fapesp), Minas Gerais (Fapemig), Rio de Janeiro (Faperj) e Santa Catarina (Fapesc), Ministério da Saúde e Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), além de recursos adicionais dos Ministérios da Educação, da Cultura, da Integração, da Saúde, das Minas e Energia e do Desenvolvimento, Indústria, e Comércio Exterior.