Notícia

Agência C&T (MCTI)

Ministro diz que Inpe é fundamental para superar desafios da C&T

Publicado em 10 janeiro 2011


Donizetti Santos/Inpe - Ministro Mercadante em pronunciamento no Inpe. O ministro da Ciência e Tecnologia, Aloizio Mercadante, cumpre nesta segunda-feira (10) agenda no Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe/MCT), em São José dos Campos (SP). A visita ao Inpe é a primeira que Mercadante realiza como ministro do MCT. Diversas outras já estão previstas até março, quando ele acredita ter visitado todas as Unidades de Pesquisas, vinculadas ao ministério.

Na instituição, o novo ministro foi recepcionado pela direção e funcionários. Deles ouviu um relato sobre os principais programas em andamento e os resultados obtidos, principalmente no que se refere ao monitoramento do clima – o sucesso que representa o Laboratório de Integração e Testes (LIT), – e a ampliação da margem de acerto na previsão de tempo, criada a partir da instalação do supercomputador, batizado de Tupã, adquirido em parceria com a Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp).

Em sua exposição, o presidente do Inpe, Gilberto Câmara, falou das prioridades de investimentos, e, além de recursos para o satélite geoestacionário e a negociação com a China para a manutenção da parceria no programa de satélites Cbers, disse da urgência de uma política de recursos humanos que valorize ainda mais os servidores, mas que também estimule a formação profissional para o setor.

A maior preocupação, segundo Câmara, é que o Inpe tem hoje um grande número de pesquisadores com mais de 20 anos de casa. Nos próximos anos, em função da quantidade de pessoas que podem se aposentar, a instituição pode ter uma sensível redução em seu quadro. “È necessário que, a curtíssimo prazo, uma nova geração de “inpeiros”, como costumamos denominar, seja criada para que toda experiência e conhecimento possa ser transferida,” disse Câmara.

Ainda em relação às reivindicações dos servidores, logo que chegou ao instituto, o ministro Mercadante recebeu a direção do Sindicato dos Servidores Públicos Federais de Ciência e Tecnologia do Vale do Paraíba. Em documento entregue pelo presidente da entidade, Fernando Moraes, a categoria, além de reajuste salarial, pede a abertura de mais vagas para novos concursos públicos na carreira de C&T.

Por sua vez, Mercadante, em pronunciamento aos servidores chamou atenção para a importância da instituição, informando que ela terá papel central na superação dos novos desafios do MCT, na gestão da Presidente Dilma Rousseff. Segundo ele, o tema da sustentabilidade ambiental e da biodiversidade são centrais para que o País possa mudar o atual modelo de desenvolvimento, rumo a uma economia verde e criativa.

“Estes foi um dos motivos que nos levou a convidar o cientista Carlos Nobre - do Inpe - para comandar a Secretaria de Políticas e Programas de Pesquisa e Desenvolvimento (Seped). Para tanto, Mercadante disse que dará ênfase à agenda da inovação tecnológica e lutar para transformar a Financiadora de Estudos e Projetos (Finep/MCT) numa instituição financeira voltada para a inovação.

Ao defender o aumento da produção científica nacional o ministro citou a economia do pré-sal como “uma grande janela de oportunidade para o desenvolvimento sustentável do País”.

O ministro concordou com a manifestação dos dirigentes e servidores do Inpe de que a formação de recursos humanos é fundamental para ampliar as condições de produção de pesquisa nas Unidades do MCT. Mercadante também falou da atenção que dará à questão do Programa Espacial. Segundo ele, a maior demonstração neste sentido está na indicação do pesquisador Marco Antônio Raupp - atual presidente da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência ( SBPC) para a presidência da Agência Espacial Brasileira (AEB/MCT).

Depois de falar com jornalistas, o ministro, acompanhado do deputado estadual Carlinhos Almeida (PT-SP), se reuniu com empresários do setor aeroespacial no auditório do Inpe, visitando a seguir o Parque Tecnológico de São José dos Campos, onde conversou com a direção e com empresários de vários setores, que ali, além de produzir, realizam pesquisas e desenvolvimento.