Notícia

Universia Brasil

Ministro anuncia compra de supercomputador ao INPE

Publicado em 15 julho 2008

O INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) vai comprar um dos mais poderosos supercomputadores do mundo. A aquisição do equipamento, divulgada na manhã desta segunda-feira, 14 de julho, pelo ministro da Ciência e Tecnologia, Sergio Rezende, foi possível graças a um convênio firmado entre o MCT (Ministério da Ciência e Tecnologia), a Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo) e o INPE.

Ao lado do diretor científico da Fapesp, Carlos Henrique de Brito Cruz, e do diretor do INPE, Gilberto Câmara, Rezende declarou que o equipamento colocará o instituto em condições de fazer diversos tipos de simulações climáticas "em nível bastante avançado". O anúncio foi feito durante conferência da 60ª Reunião da SBPC (Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência), que este ano é realizada na Unicamp (Universidade Estadual de Campinas). A expectativa é que o supercomputador esteja entre os cinco mais poderosos do mundo.

Câmara explicou durante o comunicado que o equipamento será custeado em parte pelo MCT, quem investirá R$ 35 milhões no projeto, e em parte pela Fapesp, que deverá colocar mais R$ 13 milhões. "Esses recursos serão investidos na compra do supercomputador que terá uso coletivo no Brasil. Ele será utilizado pelo INPE para fazer previsões do tempo, clima e mudanças climáticas, pelos pesquisadores da rede brasileira de mudanças climáticas globais, o que inclui a participação de diversos institutos do Brasil", declarou Câmara que lembrou que o aporte destinado ao aparelho representa o maior investimento da história do INPE.

O diretor do INPE disse que a aquisição do supercomputador representará um ganho sem precedentes para o instituto, que terá sua capacidade de processamento ampliada em 60 vezes. O equipamento será instalado na cidade de Cachoeira Paulista. Câmara afirmou que isso mudará substancialmente a capacidade do País em projetar seu futuro. "O Brasil é um dos países que mais poderá ser prejudicado do ponto de vista econômico, da vida da população e de seus recursos naturais por causa das mudanças climáticas que alguns modelos anunciam. Isso significa que precisamos tomar as rédeas do nosso futuro, entendê-lo e usar a capacidade científica de que dispomos para projetar o Brasil do futuro", disse Câmara.

Cruz aproveitou o anúncio para comunicar que a Fapesp pretende oficializar no início do mês de agosto a publicação de dois editais que fazem parte do programa de pesquisa que inclui a compra do supercomputador. Um deles, de acordo com Cruz, será para convidar pesquisadores de São Paulo a se associarem para a organização de um projeto classificado pelo diretor da Fapesp como ousado, sobre a criação de um modelo climático global brasileiro. "Hoje os modelos existentes -há uns quatro ou cinco no mundo todo- são feitos em outros lugares e, portanto, enfocam detalhes relevantes para outros lugares do mundo. Queremos um modelo feito por cientistas brasileiros com o ponto de vista sobre os impactos e os interesses da mudança climática global no caso do Brasil", explicou Cruz.

O diretor da Fapesp disse ainda que o segundo edital que deve ser lançado no início de agosto diz respeito a projetos de pesquisa em todas as áreas relacionadas com a mudança climática global. A proposta do acordo que uniu Fapesp, INPE e MCT, nas palavras de Cruz, é a formação de um grande programa de pesquisa relacionado às mudanças climáticas.