Notícia

Jornal de Piracicaba

Minipantanal sofre-degradação por esgoto

Publicado em 16 novembro 2003

Uma área de aproximadamente 50 hectares, localizada entre Águas de São Pedro e São Pedro, conhecida como minipantanal e que abriga exemplares de jacarés de papo-amarelo, além de aves como garças, marrecos d'água, biguás, saracuras, frangos d'água, está sofrendo eutrofização - degradação ambiental - devido à poluição provocada por lançamento de esgoto que atinge dois lagos, aumentando expressivamente a quantidade de algas, podendo se transformar em um grande pântano. Segundo o professor do Laboratório de Ecologia Animal Departamento de Produção Animal da Escola Superior de Agricultura (Esalq/USP), Luciano Verdade, se medidas - para conter a proliferação de algas, evitar o lançamento de esgoto e desmatamento mediante retirada de mata ciliar - não forem tomadas, a área, rica em diversidade biológica vai ser um pasto úmido, afugentando os animais que vivem nela para outras regiões. "O minipantanal, objeto de pesquisa da Esalq/USP, de 1995 a 2002, cuja finalidade era estudar a biologia do jacaré-do-papo-amareIo, nativo da região, pode virar um charco", alerta Verdade. O minipantanal, explica Verdade, é formado pelas águas do rio Araquá, que nasce na serra de ltaqueri São Pedro e chega até Águas. No ano passado, o pantanal virou notícia em documentário da National Geographic, que, através do projeto da Esalq foi até o local, destacando-o como área de preservação da espécie do jacaré de papo-amarelo (leia texto nesta página). De acordo com o professor, durante os sete anos que o projeto foi desenvolvido no local, foram registrados mais de 30 jacarés habitando a área. sendo grande parte do grupo formada por adultos. "Era o maior grupo monitorado dessa região", destaca. PROJETO - O projeto "Biologia de reprodução e crescimento do jacaré-de-papo-amarelo", coordenado pelo professor Luciano Verdade, tem por objetivos: incrementar a propagação do jacaré-de-papo-amarelo em cativeiro, visando o fornecimento de matrizes e reprodutores para criadores particulares e instituições de pesquisa assim como a taxa de crescimento de filhotes, visando a diminuição de seu ciclo reprodutivo. Ainda constam como objetivos: estabelecer as bases para o manejo economicamente viável da espécie em cativeiro, visando sua produção de carne e couro de forma legal, ajudando a combater assim a caça e o comércio ilegais das espécies brasileiras de jacarés, financiado pela Fapesp (Fundação do Apoio à Pesquisa do Estado São Paulo). ESPÉCIE - A caça excessiva, poluição das águas e desmatamento, vêm colocando em risco a sobrevivência dos jacarés. Esse é o caso do jacaré-de-papo-amarelo (Caiman latirostris). Habitante de rios e lagos da Mata Atlântica, chegando a medir 2,5 metros de comprimento. Ele alimenta-se de invertebrados, tem vida longa e pode ultrapassar os 50 anos. Quanto mais velho, torna-se mais forte. Os machos defendem territórios e formam haréns de fêmeas, que colocam até 60 ovos por postura, que eclodem depois de 60 a 90 dias de incubação.