Notícia

ANPOLL - Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Letras e Linguística

Minicurso: Literatura. Cinema. Dramaturgia. Territórios em Diálogo – PUC-SP/USP

Publicado em 31 maio 2017

Minicurso

Literatura. Cinema. Dramaturgia. Territórios em Diálogo

Ministrante: Prof.ª Dr.ª Maria do Rosário Lupi Bello

Universidade Aberta – Lisboa; CECC

Datas: 13 e 14 de junho de 2017

Horário: das 9h às 13h

Total de horas: 8h

Local: Edifício Bandeira de Melo – Sala 4E-03

Gratuito, vagas limitadas!

Informações: 3670-8412

Inscrições abertas: http://celp.fflch.usp.br/cinemalupi

Realização:

Programa de Pós-Graduação em Literatura e Crítica Literária PUC/SP

Programa de Pós-Graduação em Estudos Comparados de Literaturas de Língua Portuguesa USP.

Apoio:

Grupo de Pesquisa Categorias da Narrativa PUCSP

Centro de Estudos das Literaturas e Culturas de Língua Portuguesa USP

SINOPSE E PROGRAMA (VER TAMBÉM NO SITE)

Sinopse: Partindo da análise de algumas obras escolhidas, propõe-se uma reflexão sobre as fronteiras e as contaminações entre três territórios que mutuamente se influenciam e fecundam: a literatura narrativa, o drama e o cinema. Embora a maioria das obras cinematográficas seja o resultado da adaptação ao ecrã de textos narrativos (contos, novelas, romances) – o que, por si só, é profundamente significativo –, o cinema não pode escapar a uma inegável componente teatral, visível tanto na mise-en-scène que lhe dá forma quanto em alguns dos códigos de que faz uso. Tal dimensão torna-se mais evidente nos casos em que a obra fílmica explícita ou implicitamente dialoga com a arte dramática, seja por se tratarem de adaptações de peças de teatro, seja por adotarem específicos procedimentos de representação tributários da gramática teatral. A relação entre cada um destes três territórios está profundamente marcada pela dimensão temporal que os caracteriza e que se manifesta nos seus diversos modos de representação. O estudo de casos concretos permitirá confrontar essas diferenças e aprofundar o conhecimento da ontologia de cada uma destas manifestações artísticas, lançando pontes para outras formas de expressão.

Programa:

13 Junho – Introdução

Contributo teórico para o estudo das relações entre a literatura, o teatro e o cinema

Alguns exemplos:

– Hitchcock, Janela Indiscreta (1954): O espectador imóvel

– Carl Dreyer, A Palavra (1955): Vida e morte em cena

– Manoel de Oliveira, Vou para casa (2001): O cinema como teatro da vida

– Polanski, O deus da carnificina (2011): Ver a cena pelo olho da câmara

14 Junho – Outros cruzamentos e contaminações: os casos da pintura e da televisão

Exemplos:

– Stuart Burges e Oliver Parker, A Importância de ser Ernesto (1986; 2002): Diferentes testemunhos da importância de adaptar peças.

– Victor Erice, O Sol do Marmeleiro (1993): Pintar a passagem do tempo

– Manoel de Oliveira, O Gebo e a Sombra (2012): Filmar o palco como uma tela

Conclusões

Bibliografia

AUMONT, Jacques. L’Oeil interminable: cinéma et peinture. Paris: Éditions Séguier, 1989.

BAECQUE, Antoine de, PARSI, Jacques (Orgs.). Conversas com Manoel de Oliveira.

Tradução de Henrique Cunha. Porto: Campo das Letras, 1999. (Campo do Cinema, 3).

BAZIN, André. O que é o Cinema? Lisboa, Livros Horizonte, 1992.

BELLO, Maria do Rosário Lupi. Da narrativa literária à narrativa fílmica. O caso de “Amor de Perdição”. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian-FCT, 2008. (1ª ed. 2005).

BONITZER, Pascal. Décadrages: Cinéma et Peinture. Paris: Éditions de l’Étoile, 1985.

BROOK, Peter. O Espaço Vazio. Lisboa: Orfeu Negro, 2008.

CARLSON, Marvin. Teorias do Teatro. Estudo histórico-crítico dos gregos à atualidade. São Paulo: Ed. UNESP, 1985.

CAUNE, Jean. La dramatisation. Une méthode et des techniques d’expression et de communication par le corps. Louvain-la-Neuve, Cahiers de Théâtre Louvain, 1981.

CORRIGAN, Timothy (ed.). Film and Literature. An Introduction and Reader. 2nd Edition. London; New York: Routledge, 2012.

EDGAR, David. How Plays Work. London: Nick Hern Books, 2010.

ESTÉVEZ, Manuel Vidal. Carl Theodor Dreyer. Madrid, Ediciones Cátedra, 1997.

FERREIRA, Carolin Overhoff (org.). O cinema português através dos seus filmes.

Porto: Campo das Letras, 2007. (Campo do Cinema, 5).

FORTIER, Mark. Theory/Theatre. An Introduction. London/New York: Routledge, 2008.

GUINSBURG, J.; NETTO, J. Teixeira Coelho; CARDOSO, Meni Chaves (orgs). Semiologia do Teatro. São Paulo: Ed. Perspectiva, 1978.

HAMBURGER, Käte. A Lógica da Criação Literária. São Paulo: Perspectiva, 1974.

HOLLANDER, Anne. Moving Pictures. New York: Knopf, 1989.

JUNQUEIRA, Renata Soares (org.). Manoel de Oliveira: uma presença. Estudos de

literatura e cinema. São Paulo: Perspectiva; FAPESP, 2010. (Estudos, 282).

LEUTRAT, Jean-Louis. Kaleidoscope. Lyons: Presses Universitaires de Lyons, 1988.

MAMET, David. Theatre. London: Faber & Faber, 2010.

MONTEIRO, Paulo Filipe. Drama e Comunicação. Coimbra, Imprensa da Universidade de Coimbra, 2010.

NAVES, María del Carmen Bobes. Teoría del Teatro. Madrid: Arco/Libros, 1997.

PAVIS, Patrice. A Análise dos Espetáculos. Teatro. Mímica. Dança. Cinema. São Paulo: Ed. Perspectiva, 2003.

ROUBINE, Jean-Jacques. A linguagem da encenação teatral. Rio de Janeiro, Jorge Zahar Ed, 1998.

SABORIT, José. Guía para ver y analizar “El Sol del Membrillo”. Barcelona: Ediciones Octaedro, 2003.

SKOLLER, Donald (ed.). Dreyer in Double Reflection. Translation of Carl Th. Dreyer’s writings about the film (Om filmen). New York: Da Capo Press, 1991.

SLAWINSKA, Irena. Le théâtre dans la pensée contemporaine. Louvain: Cahiers Théâtre Louvain, 1985.

TARKOVSKY, Andrey. Sculpting in Time. Austin: University of Texas Press, 1996.

VACHE, Angela Dalle. Cinema and Painting. How Art is used in Film. Austin: University of Texas Press, 1996.

WALLIS, Mick; SHEPHERD, S. Studying Plays. London/New York: Arnold, 1998.

WATERS, Steve. The Secret Life of Plays. London: Nick Hern Books, 2010.