Notícia

Agência Minas

Minas Gerais terá R$ 4,2 milhões para pesquisas sobre malária

Publicado em 29 março 2010

Serão destinados R$ 4,2 milhões às pesquisas mineiras da Rede Malária, que acabam de ser selecionadas. O edital foi lançado pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), em parceria com o Ministério da Saúde (MS) e as Fundações de Amparo à Pesquisa (FAPs) de sete estados brasileiros, dentre eles, Minas Gerais. No Estado, a Fapemig entrará com contrapartida de R$ 1,4 milhão. Foram quatro propostas aprovadas e as instituições beneficiadas foram a Universidade Federal do Estado de Minas Gerais (UFMG) e o Centro de Pesquisas René Rachou (CPqRR). Conheça aqui os aprovados.

Criada com o objetivo de apoiar pesquisas científicas e tecnológicas sobre a doença, a Rede Malária destinará R$ 15,4 milhões em todo o país. Serão contemplados projetos com até 36 meses de execução. As propostas devem considerar a formação de recursos humanos na área e os impactos de seus resultados para o Sistema Único de Saúde, considerando as metas estabelecidas pelo Programa Nacional de Combate à Malária. Além da Fapemig, participam da iniciativa a FAPs do Maranhão (Fapema), do Pará (Fapespa), do Mato Grosso (Fapemat), do Rio de Janeiro (Faperj) e de São Paulo (Fapesp).

Entre os temas contemplados pelo edital estão estudos sobre biologia, ecologia e controle de vetores potenciais da malária; identificação ou produção de biomarcadores para avaliar susceptibilidade e resistência à infecção malárica no hospedeiro humano; vacinas; caracterização molecular das populações de parasitos circulantes no hospedeiro vertebrado e no vetor; quimioterapia antimalárica; pesquisa clínica; epidemiologia e controle da malária; e diagnóstico.

"A Fapemig vai entrar com investimentos da ordem de três milhões de reais, sendo cerca de um milhão de reais por ano", declara o presidente da fundação, Mario Neto Borges. Ele destaca duas grandes razões para a participação de Minas Gerais na rede. A primeira é por se tratar de uma doença negligenciada, ou seja, que afeta milhares de pessoas ao redor do mundo e, mesmo assim, não dispõe de tratamentos eficazes. E a segunda é que o Estado possui pesquisadores de alto nível nesta área.

Embora seja uma doença muito antiga, a malária ainda é um dos maiores problemas de saúde pública do mundo. A cada ano, mata cerca de dois milhões de pessoas, sendo 90% dos casos registrados na África. De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), essa é a doença tropical e parasitária que mais causa problemas sociais e econômicos, sendo um risco de infecção para cerca de 40% (2,5 bilhões de indivíduos) da população mundial.