Notícia

Correio Popular (Campinas, SP) online

Microsoft seleciona duas pesquisas da Unicamp

Publicado em 25 novembro 2007

Trabalhos da universidade campineira, além da de São Paulo, receberão verbas


Duas pesquisas do Instituto de Informática da Unicamp foram escolhidas pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e Microsoft para receber apoio financeiro. A Fapesp e o Instituto Microsoft Research anunciaram os cinco projetos escolhidos na área de tecnologia de informação que receberão no total R$ 1 milhão para os próximos dois anos. Foram dois da Unicamp e três da USP, sendo um da USP São Carlos.

Os projetos da Unicamp são coordenados pelas professoras Claudia Bauzer Medeiros e Maria Cecília Baranauskas. O trabalho de Claudia é voltada para informatização de pequenas propriedades agrícolas. O de Maria Cecília é em conjunto com a Prefeitura de Campinas e pretende facilitar o uso de serviços públicos on-line por pessoas com problemas de alfabetização ou com necessidades especiais.

O objetivo do projeto de Maria Cecília é criar sistemas de atendimento via computador simplificados e que permitam acesso a pessoas que tenham dificuldades para acessar informações. Com isso, pode-se ampliar os serviços on-line para a população e agilizar o atendimento no setor público, principalmente entre a população de menor nível escolar e para quem tem dificuldades de deslocamento.

O projeto coordenado por Claudia Bauzer reúne sete pesquisadores, sendo quatro professores doutores do Instituto de Informática, um da Engenharia Agrícola, um do Centro de Estudos e Pesquisas em Agricultura (Cepagri) e um da PUC-Campinas. O trabalho está sendo desenvolvido em conjunto com a Cooxupé, uma cooperativa de plantadores da café de Minas Gerais que reúne 11 mil pequenos produtores.

"A cooperativa participa do projeto com investimento, profissionais e com a participação dos cooperados", disse Claudia. Ela diz que o trabalho é dividido em três fases que permitirão aos pequenos agricultores receberem informações relevantes para a atividade agrícola via computador. Por outro lado, mandarão informações de suas propriedades que serão captados por sensores.

Por ter esse perfil de troca de informações entre agricultores e cooperativa, o projeto recebeu o nome de "E-Farms: uma estrada de mão dupla de pequenas fazendas para o mundo em rede". A primeira fase a ser implantada é a concepção da rede de transmissão de dados, que deverá ser via rádio. Um dos principais desafios é que as regiões de plantio de café são em sua maioria em regiões montanhosas. "Nós criaremos o projeto da rede e a cooperativa terá a incumbência de implantar o sistema nas propriedades", disse Claudia.

Outra fase será a criação de bancos de dados com informações que possam ser usadas pelos agricultores e pela cooperativa. Informações meteorológicas, técnicas, cotações e serviços poderão ser obtidos. Os dados das propriedades rurais também abastecerão esses bancos de dados, que servirão para definir políticas agrícolas e estratégias da cooperativa.

A terceira fase será colocar essa tecnologia à disposição de outros interessados. "O projeto é voltado para cafeicultores, mas ele poderá ser usado para outras culturas. Basta adaptar os programas, mas a rede e transmissão de dados será a mesma", disse a pesquisadora.

O processo de seleção teve pelo menos dois pareceres para cada proposta, incluindo assessores de centros de pesquisa estrangeiros. A previsão é que outros projetos sejam aprovados para os próximos cinco anos. A segunda chamada deverá ser lançada no primeiro semestre de 2008.


Solenidade

"Esta solenidade é extremamente significativa por que representa o empenho de cooperação entre a Fapesp e a Microsoft Research na seleção de projetos em engenharia e ciência da computação que, ao mesmo tempo, farão avançar o conhecimento científico e tecnológico e também poderão ter aplicações práticas em benefício da sociedade", disse Celso Lafer, presidente da Fapesp, durante o anúncio dos projetos escolhidos feito na semana passada em São Paulo.

Michel Levy, presidente da Microsoft Brasil, destacou a importância da capacidade de pesquisa instalada no Estado de São Paulo. "Pesquisa, inovação e crescimento econômico têm correlação direta, uma vez que os investimentos em capital humano geram inovação que, por sua vez, gera desenvolvimento social", disse.

Carlos Henrique de Brito Cruz, diretor-científico da Fapesp, destacou que os cinco primeiros projetos aprovados foram concebidos para estudar questões locais, no Estado de São Paulo, mas que o conhecimento gerado deverá ter relevância mundial.

"Nada impede um cientista de produzir conhecimentos específicos que possam interessar a pessoas de outras partes do mundo. O estudo de problemas locais para a produção de conclusões gerais é um dos grandes desafios da comunidade acadêmica para o avanço do conhecimento", disse.


A Frase

"Pesquisa, inovação e crescimento econômico têm correlação direta."

Michel Levy - Presidente da Microsoft Brasil