Notícia

Jornal do Commercio (RJ)

Microrganismos ganham acervo

Publicado em 27 fevereiro 2005

O Centro Pluridisciplinar de Pesquisas Químicas, Biológicas e Agrícolas (Cpqba), da Unicamp, lançou em Paulínia, interior de São Paulo, a Coleção Brasileira de Microrganismos de Ambiente e Indústria (Cbmai). O acervo conta com 688 linhagens de bactérias, fungos filamentosos e leveduras para aplicações em pesquisa, ensaios, estudos de bioprospecção e produção de compostos de interesse, como enzimas e metabólitos.
"Trata-se de um centro depositário de recursos biológicos, isolados principalmente de biomas brasileiros", explica Lara Durães Sette, curadora da coleção. "A coleção pretende atender às necessidades da comunidade científica e industrial no que diz respeito a serviços de preservação, identificação, armazenamento e distribuição de microrganismos", acrescenta.
Para não perder de vista as características de cada microrganismo, o Cpqba lançou também o Sistema de Informação sobre Acervos Microbianos (Siam). "Trata-se de um catálogo informatizado criado para gerenciar os dados da coleção, além de permitir a incorporação de novas informações ao registro das linhagens, como foto de microscopia óptica e seqüências de DNA", explica Lara.
A bióloga relata que o Cpqba, que oferece assessoria técnico-científica, caracterização taxonômica, desenvolvimento de projetos de pesquisa, cursos e treinamento de profissionais, conta com três formas de fazer depósitos de novas culturas.

Segurança
Além do "depósito de acesso público", que disponibiliza as linhagens para aquisição, existe o "depósito de segurança", no qual as linhagens são mantidas em confidencialidade, e o "depósito para fins legais", em que as linhagens são inseridas para o cumprimento das leis brasileiras de acesso à biodiversidade.
A Coleção Brasileira de Microrganismos de Ambiente e Indústria é fruto de uma colaboração entre a Unicamp, o Ministério da Ciência e Tecnologia, a Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP). Mais informações: http://webdrm.cpqba.unicamp.br. (Agência FAPESP)