Notícia

Central das Notícias

Mestrando da Unesp Araraquara desenvolve seringa com conexão

Publicado em 02 janeiro 2020

Mestrando da Unesp Araraquara desenvolve seringa com conexão Buscar alternativas para resolver um problema em benefício das pessoas. Essa foi a ideia do estudante Hernani Marmol, do mestrado alimentos e nutrição da faculdade de ciências farmacêuticas da Unesp Araraquara.

Formado em biomedicina, ele desenvolveu uma seringa com conexão que reduz a quantidade de perfurações para a extração de sangue para exames clínicos em pacientes, principalmente aqueles que estão em UTIs.

A invenção do pesquisador conquistou o primeiro lugar no Biohealth Tech Challenge, desafio proposto na 2ª edição do encontro de empreendedorismo e inovação da Unesp Araraquara. A seringa especial permite a coleta simultânea de sangue para os tubos de análises e para a avaliação da gasometria.

O dispositivo tem um baixo custo, é fácil de utilizar, pode garantir a aderência da maioria dos hospitais do país, beneficiando biomédicos, enfermeiros, técnicos de enfermagem, médicos e outros profissionais da saúde. O equipamento está em fase de validação e patenteamento.

"Você precisa hoje puncionar [perfurar] o paciente duas vezes. Essa seringa, é uma seringa comum, descartável, mas ela tem uma conexão a seringa de gasometria. Assim, a gente punciona uma vez só o paciente e preenche as duas seringas simultaneamente. É menos doloroso para o paciente, facilita para o profissional que está coletando e ganha em diversos aspectos, agilidade, redução de custo, comodidade do paciente. É uma seringa simples, mas que tem um sistema de conexão, diferente das que são usadas hoje em dia", explica.

Seringa realiza duas ações em uma única vez (Foto: arquivo pessoal) A qualidade e a relevância da ideia, além da forma criativa de apresentá-la, impressionou os jurados, e, como prêmio, o estudante vai receber mentoria especializada de um centro de inovação. Com isso, ele pretende estabelecer parcerias estratégias que permitam a entrada da seringa no mercado o mais breve possível.

"A gente agora está procurando parcerias, estudando estratégias para começar a desenvolver ela. A ideia é entrar com um programa dentro da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de S. Paulo (Fapesp), até o final do primeiro semestre deste ano. Ela tem protótipo, tá pronta, mas agora vamos entrar com a pesquisa em si. Vamos separar em grupo, fazer um estudo maior, vê quais os reais benefícios, o quanto vamos ganhar de tempo. Se tudo der certo, esse estudo estará pronto em nove meses", afirma Hernani.

Para o mestrando, oportunidades como esse encontro de empreendedores promovido pela universidade é importante para revelar à sociedade os projetos que são desenvolvidos dentro dos laboratórios das instituições de ensino.

"Premiar uma ideia inovadora na área da saúde é muito importante, pois você acaba tendo, dentro de um ambiente universitário, um olhar diferente para tudo aquilo. É muito importante esse tipo de evento para impulsionar, pois tem muita ideia boa ali dentro", finaliza o estudante.