Notícia

Bragança Jornal Diário online

Mestrado em Análise Geoambiental da Universidade Guarulhos colabora com a capacitação de professores da região bragantina

Publicado em 24 maio 2009

Por Paulo E. de Oliveira

Nos últimos anos, a reportagem do Cidade de Bragança tem destacado a importância do mestrado da Universidade Guarulhos para o entendimento da ecologia e do meio ambiente da região bragantina. No ano passado, o curso possibilitou a vinda do Congresso da Sociedade Brasileira de Botânica à instituição

Recentemente o Estado de São Paulo deu um grande passo para a melhoria do ensino da sua rede pública com uma medida do governador José Serra, que criou uma escola de formação de professores onde eles terão cursos de aperfeiçoamento e de capacitação. O que parece ser uma novidade já está em prática há três anos pela Universidade Guarulhos, a apenas 50 minutos de Bragança Paulista, onde cinco professores da rede estadual já adquiriram seus mestrados sensu strictu a partir de teses defendidas sobre aspectos do meio ambiente da região bragantina.

No momento em que saem do mestrado da UnG, realizado simultaneamente com as suas atividades docentes na rede estadual, eles retornam às salas de aula com uma visão de mundo que lhes parecia impossível ou inatingível anteriormente. A explicação é simples. No mestrado eles ficaram em contato direto com professores altamente capacitados e engajados em pesquisas ambientais de alto nível, financiadas por renomados órgãos de fomento como a FAPESP – Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo, CNPq – Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico e realizada, em muitos casos em parceria com importantes instituições acadêmicas como a Universidade de São Paulo, Universidade Estadual Paulista (UNESP), o Instituto de Botânica de São Paulo da Secretaria de Estado do Meio Ambiente.

Além desse diferencial, há o contato direto com professores e pesquisadores de instituições estrangeiras. Nesse último caso, o exemplo mais recente é do aluno de Guarulhos, Marco Felipe Raczka, que através do Mestrado da UnG foi convidado a realizar um estágio no Instituto de Tecnologia da Florida, por três meses, e após a conclusão de sua tese, convidado a fazer seu doutorado naquele país. Marco parte para os EUA no início do próximo agosto.

Exemplos da região bragantina

Outras histórias de sucesso são apresentadas por professores da rede estadual de ensino na região bragantina e que após a conclusão de cursos conseguiram ampliar a sua atuação profissional.

Em 2005, Renilde Cassalho Sanches Bueno, professora bragantina da rede estadual, soube do curso na UnG e da possibilidade de se inscrever para o Programa Bolsa de Mestrado da Secretaria Estadual da Educação. ‘Confesso que fiquei eufórica.

A oportunidade de realizar um sonho antigo estava em minhas mãos e eu não a desperdicei. Convivi com professores e orientadores altamente gabaritados, profundos conhecedores em suas especialidades e de uma generosidade indescritível no auxílio a construção dos conhecimentos dos alunos. Conquistei amizade de colegas de classe, de auxiliares do Laboratório de Geociências, de funcionários da universidade, que guardo com muito carinho.

O curso me proporcionou uma visão de mundo muito diferente, passei a contemplar e analisar as diferentes paisagens com um olhar mais abrangen-te e investigativo, minhas aulas tornaram-se muito mais estimulantes e interessantes. Prêmios de valorização do magistério, gratificações pelo trabalho docente, bônus, são todos bem vindos, porém não são incorporados ao salário. Já o Diploma de Mestrado proporciona um ganho real de 5% no salário base, através da evolução via acadêmica.

Portanto, o Programa Bolsa Mestrado é um dos melhores presentes oferecidos aos educadores, afinal, bens materiais podem nos ser furtados, porém o conhecimento ninguém nos tirará” afirma a ex-aluna, hoje PEB II Titular de Cargo de Geografia da E.E. Pietro Petri e Vice-Diretora da E.M. Shigeru Sasaki, ambas em Mairiporã.

O professor Marte Ferreira da Silva, de Atibaia, hoje diretor de escola da rede estadual também dá sua opinião. “O mestrado para mim, foi um caminho árduo e uma oportunidade única de crescimento pessoal e profissional. Exigiu o enfrentamento de desafios, que através de um olhar de estranhamento sobre questões diversas tanto no campo científico como na produção acadêmica, levaram-me ao conhecimento e a visualização de oportunidades futuras, pautadas no auto-conhecimento e um novo propósito significativo, para uma gestão profissional, externada na qualidade educacional”, conta.

O professor André Luiz Amâncio Franco, de Nazaré Paulista, em sua entrevista para a reportagem do Cidade de Bragança, também indica sua satisfação com o mestrado. “Os conhecimentos por mim adquiridos foram imensos, hoje sou um profissional da educação muito melhor do que já era.

Em meu ambiente de trabalho, tanto na escola, como nas Diretorias de Ensino em que atuo (Bragança Paulista e Campinas) sou muito valorizado e reconhecido, pela titulação como também por corresponder às expectativas de todas minhas atribuições profissionais na formação de professores.

Dou cursos, realizo palestras, reuniões pedagógicas. Houve também a evolução funcional por via acadêmica, recebo meus vencimentos como professor-mestre. Também faz três anos que leciono em uma instituição de ensino superior para o curso de Pedagogia e Especialização em Gestão Escolar. Enfim, estou muito satisfeito como o mestrado realizado na UnG por ter me proporcionado a realização de muitos sonhos e vários projetos de vida”.