Notícia

Jornal da Cidade (Bauru, SP) online

Mentir é uma prática comum na Internet

Publicado em 12 outubro 2008

O e-mail começou a ser usado como uma forma de comunicação dentro do ambiente de trabalho, principalmente, a partir de 1994. Portanto, é uma ferramenta relativamente nova, mas que já mostrou ser eficiente. As principais vantagens do correio eletrônico é seu baixo custo e a rapidez com que chega ao destinatário.

Porém, dois estudos feitos por um grupo de pesquisadores americanos mostraram que a comunicação via Internet deve ser encarada com certa desconfiança. Isso porque as pesquisas apontaram que o e-mail é a forma de comunicação em que as mentiras são feitas com mais facilidade e encaradas com mais naturalidade.

De acordo com o estudo, as pessoas se sentem “seguras” para mentir pela Internet, principalmente quando o destinatário não possui nenhuma relação de familiaridade com o remetente. Mas as pesquisas mostram que, mesmo quando ambos se conhecem (remetente e destinatário), eles continuam mentindo, embora numa proporção menor.

Os dois estudos, divulgados na semana passada pela Agência Fapesp, usaram como metodologia a repartição de dinheiro entre duas pessoas. No primeiro trabalho, os pesquisadores entregaram US$ 89,00 para cada um dos 48 estudantes pesquisados. A tarefa de cada estudante era dividir o dinheiro com um outro colega.

A informação passada pelos pesquisadores a esses colegas era de que eles receberiam algo entre US$ 50,00 e US$ 100,00. Aos estudantes, foi pedido que usassem e-mail ou papel e caneta para dizer aos colegas o valor total que foi entregue e quanto eles receberiam.

Os voluntários que usaram papel e caneta para mandar as mensagens mentiram sobre o valor que receberam em 64% dos casos. Entre os que usaram o e-mail, o índice de mentira foi de um espantoso 92%.

O grupo que usou a Internet para se comunicar com o colega alegou ter recebido, em média, US$ 56,00, quando, na verdade, havia recebido US$ 89,00. Já o grupo que usou papel e caneta informou ter recebido, em média, US$ 67,00 - pouco mais do que alegou o grupo anterior, mas mesmo assim, não disse a verdade.

Na tentativa de entender o comportamento desses estudantes, foi feita nova pesquisa. Os resultados indicaram que eles se sentiam mais à vontade para mentir e agir de modo egoísta quando usavam e-mail.

O analista de suporte Rogers de Oliveira, 20 anos, usa e-mail todos os dias para se comunicar com colegas de trabalho. Como a ferramenta é utilizada profissionalmente, em sua opinião, não fica bem nem é recomendável mentir. Isso ocorre com mais freqüência quando se trata de MSN e Orkut, meios normalmente utilizados para contatos pessoais e descompromissados.

Na opinião de Oliveira, a Internet favorece a mentira porque as pessoas se “escondem” atrás da tela do computador. “Geralmente, as pessoas falam que são de um jeito, mas na verdade são de outro”, comenta. Ele afirma que a Internet tem também o “poder” de desinibir as pessoas. “Tenho amigos que, quando estão online, conversam muito mais do que pessoalmente. Parece que a Internet quebra a barreira da timidez”, acredita.

A estudante Fernanda Salvatti, 17 anos, usa e-mail, MSN e Orkut todos os dias - sempre para uso pessoal. Ela garante que nunca se aproveitou da “máscara” da Internet para mentir. “Esse tipo de coisa nunca me atraiu”, diz, mas admite que esse tipo de comportamento é muito comum, especialmente no Orkut.

Segundo Fernanda, nem sempre as fotos e as descrições correspondem à realidade, ou seja, as pessoas se fazem passar por alguém que não são. Para a estudante, quando a foto postada no Orkut mostra uma pessoa muito bonita, mas o álbum dela, também no Orkut, está sempre vazio, é bom desconfiar.

Na opinião de Fernanda, a mentira é mais comum quando as pessoas que estão se comunicando não se conhecem pessoalmente. Essa constatação é confirmada pelos estudos dos pesquisadores americanos.