Notícia

Jornal de Jundiaí online

MEMÓRIA

Publicado em 26 setembro 2000

Pesquisar o período colonial agora será mais fácil. Pelo menos essa é a intenção do Projeto Resgate da Documentação Histórica Referente à Capitania de São Paulo. A iniciativa recebeu o mesmo status que o Projeto Genoma da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo. O lançamento ocorreu ontem, na Fapesp, e contou coma presença do ministro da Cultura. Francisco Weffor, que também deu início ao Congresso Projeto Resgate & Agenda do Milênio, com os pesquisadores envolvidos neste trabalho, na Faculdade de História da Universidade de São Paulo. A idéia do Projeto Resgate surgiu em 1986 e consistia em reunir, organizar em ordem cronológica, microfilmar e digitalizar toda a documentação presente no Arquivo Histórico Ultramarino de Lisboa, em Portugal. O arquivo lisboeta possui toda a correspondência recebida e cópias de todas as cartas relativas à administração colonial, principalmente às capitanias brasileiras, enviadas pelas autoridades portuguesas. O projeto nacional foi financiado com recursos públicos dos Ministérios da Cultura. Educação e Ciência e Tecnologia, além de órgãos de fomento à pesquisa, como a Capes, CNPq e Fapesp. Em 1988, começaram as pesquisas para resgatar os documentos relativos à Minas Gerais em virtude das comemorações dos 200 anos da Inconfidência Mineira.