Notícia

Correio Popular

Memória rural

Publicado em 17 dezembro 2006

 

O movimento de resgate do patrimônio cultural e arquitetônico de fazendas históricas no Estado de São Paulo teve, desta vez, Campinas como sede. O seminário Turismo e Negócios na Área Rural: Fazendas Históricas atraiu para o auditório da Biblioteca Central da Unicamp, na última terça-feira, em torno de 100 participantes, entre representantes de universidades, de governos de cidades com áreas rurais, empreendimentos que atuam no turismo rural, agências de viagens, entre outros profissionais.
O objetivo do evento foi expor o trabalho realizado desde fevereiro — quando o projeto Fazendas Históricas Paulistas: espaço privilegiado para a pesquisa, o ensino e o turismo foi criado — para o grupo, que cada vez ganha mais adeptos. Hoje são 15 fazendas integrantes, divididas em cinco núcleos no Estado, que abrangem as regiões de Campinas, Limeira, Itu, São Carlos e Mococa. O coordenador do grupo Fazendas Históricas, João Pacheco, adianta que outros empreendimentos estão interessados em participar e que, em breve, novos núcleos de fazendas surgirão, a exemplo das regiões de Jaú, Espírito Santo do Pinhal, Amparo e Vale do Paraíba.
Tudo começou com a Fazenda Pinhal, de São Carlos, que em 1991 criou a Fundação Pró-Casa do Pinhal, que tem a finalidade de restaurar e dar sustentabilidade à fazenda. Segundo o gerente da Pinhal, Francisco de Sá Neto, a fundação gerou o tombamento da fazenda nas esferas estadual e nacional, parcerias com universidades e atividades de educação patrimonial que ela promove, sem contar que funciona também como hotel-fazenda. Há três anos, a propriedade integra a associação Roteiros de Charme. "A hotelaria e o turismo são ferramentas para manter uma propriedade rural, mas a preservação da memória é o grande mote que o turismo rural paulista, através desse projeto, quer enfocar agora", frisa. Ele acrescenta: "As prefeituras devem apoiar suas fazendas e contribuir na educação da população para sua importância. Quando o cidadão conhece, reconhece o patrimônio como seu passado e passa a preservar", garante.
O projeto Fazendas Históricas Paulistas conquistou parceria de seis universidades — Unicamp, USP de São Paulo e de São Carlos, Unimep, Ufscar e unidade em Sorocaba, além dos órgãos de preservação nacional e estadual Iphan e Condephaat, que contribuem com pesquisas que têm por objetivo resgatar a memória rural do Estado. O resultado dos estudos será apresentado à Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) em março, com o intuito de conseguir patrocínio, no segmento de apoio à políticas públicas, para o trabalho de resgate da cultura das fazendas.
Além dos seminários que ocorrem periodicamente nas redondezas das fazendas participantes, o projeto promoverá, em 2007, oficinas para instrumentalizar os funcionários das fazendas a ajudar na preservação. De acordo com Marcos Tognon, do Fazendas Históricas Paulistas, haverá aulas de recuperação de móveis a embasamento histórico a ser aplicado na recepção dos turistas.