Notícia

IDG Now!

Megacomputadores da Unesp interligam centros de pesquisa

Publicado em 25 setembro 2009

Por Redação do IDG Now!

Com investimento de oito milhões de reais, GridUnesp tem núcleo na capital paulista e estruturas paralelas em outros seis municípios.A Universidade Estadual Paulista (Unesp) coloca em funcionamento nesta sexta-feira (25/9) aquela que é uma de suas grandes cartadas para se posicionar como um polo central de compartilhamento de dados científicos. Trata-se do Programa de Integração da Capacidade Computacional, também chamado de GridUnesp. A inauguração contará com cerimônia no campus Barra Funda, na capital paulista.

O investimento no projeto foi de oito milhões de reais, dos quais 4,4 milhões de reais desembolsados pela Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) e R$ 3,6 milhões pela Unesp. A conexão do GridUnesp entre os clusters no interior de São Paulo é feita por meio da rede KyaTera, desenvolvida pelo Programa Tecnologia da Informação no Desenvolvimento da Internet Avançada (Tidia) da Fapesp.

O GridUnesp pode ser definido como um conjunto de clusters (aglomerados de computadores interconectados) composto por, além de um núcleo principal instalado na capital paulista, estruturas paralelas em outros seis diferentes campi, nos municípios de Araraquara, Bauru, Botucatu, Ilha Solteira, Rio Claro e São José do Rio Preto.

Posicionamento

O GridUnesp contará 2.944 unidades de processamento com 33,3 teraflops (trilhões de cálculos por segundo) de capacidade de processamento teórico. "É a maior estrutura computacional de alto desempenho e processamento distribuído na América Latina", disse à Agência Fapesp Sérgio Ferraz Novaes, coordenador-geral do GridUnesp e professor do Instituto de Física Teórica da Unesp. A estrutura possibilitará a pesquisadores acesso a elevados níveis de capacidade de processamento e armazenamento de dados nos mais diversos campos.

Reitor da Unesp e conselheiro da Fapesp, Herman Jacobus Cornelis Voorwald destaca a importância estratégica da iniciativa para a instituição. "A implantação do GridUnesp é o passo decisivo para posicionar a universidade no patamar do compartilhamento de dados científicos em alto nível de desempenho computacional. É o resultado do reconhecimento da consolidação e da elevada capacidade de diversos grupos de pesquisa", afirmou.

Na computação em grid (grade, em português), o poder de processamento de muitos clusters é agregado para se que obtenha um desempenho muito superior ao que seria possível caso os aglomerados fossem mantidos isolados. Os computadores do GridUnesp estão equipadas com processadores Intel Xeon de quatro núcleos e foram adquiridos da Sun Microsystems do Brasil.

Entre os setores que poderão se beneficiar da iniciativa estão o sequenciamento genético, previsão do tempo, modelagem molecular e celular, reconstrução de imagens médicas, desenvolvimento de novos materiais, segurança de redes de dados, química quântica e física de altas energias, segundo a Agência Fapesp.